Brasil 'Pura fumaça', afirma Mourão sobre gastos do governo com alimentos

'Pura fumaça', afirma Mourão sobre gastos do governo com alimentos

Vice-presidente minimizou a repercussão do montante de mais de R$ 1,8 bilhão com gastos alimentícios no ano passado

Agência Estado - Política
Mourão afirma que despesas estavam previstas no Orçamento

Mourão afirma que despesas estavam previstas no Orçamento

Adriano Machado/Reuters

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta quarta-feira que a divulgação dos gastos da administração federal com alimentação em 2020 é "pura fumaça" e faz parte das "pressões em cima do governo". Mourão minimizou a repercussão do montante de mais de R$ 1,8 bilhão com gastos alimentícios do governo federal, dos quais R$ 15 milhões com leite condensado. Segundo o vice-presidente, as despesas são previstas no Orçamento.

"Pura fumaça. Todos esses gastos são orçamentários, previsto aí alguns com despesa obrigatória, outros com despesa discricionária e foram efetuados dentro do que estava previsto do desembolso do orçamento do ano passado", disse. Ele sugeriu ainda que despesas do mesmo tipo tiveram valores semelhantes em anos anteriores.

Leia mais: Eduardo Bolsonaro defende compra de leite condensado por militares

"Se pegar o que foi gasto em anos anteriores, estará mais ou menos no mesmo patamar. Então é isso, faz parte dessa pressão que está sendo feita em cima do nosso governo", disse. O portal de notícias Metrópoles, que revelou o montante gasto, indicou que o valor é 20% maior do que o de 2019. Sobre o aumento, Mourão comentou que "tem que olhar isso aí" e reforçou que são gastos orçamentários.

O vice-presidente citou ainda a Operação Verde Brasil 2, das Forças Armadas, para combater o desmatamento e as queimadas na Amazônia. Segundo ele, a força-tarefa exigiu a liberação de crédito extraordinário, bem como os esforços para o combate à covid-19. "Talvez aí esteja os 20%", acrescentou.

Os gastos de altos valores, como mais de R$ 15 milhões em recursos públicos para comprar leite condensado e até R$ 2,2 milhões em chicletes, motivaram parlamentares a formalizar nesta terça, 26, uma representação no TCU (Tribunal de Contas da União) pedindo a abertura de investigação sobre as compras do Executivo. Mourão minimizou a iniciativa. "A Controladoria-Geral da União acompanha esses gastos o tempo todo, isso não tem nada a ver, (é) gasto orçamentário", disse.

Últimas