Quase 35 milhões de brasileiros não têm acesso a água tratada

A 3ª reportagem da série sobre saneamento aborda a questão do tratamento de água, item prioritário que tem relação com o tratamento do esgoto

A água tratada recebe adição de flúor, o que reduz incidência de cáries em 65%

A água tratada recebe adição de flúor, o que reduz incidência de cáries em 65%

Hélvio Romero/Agência Estado

Para o homem, não há substância química mais importante do que a água. O ciclo vital no planeta depende dela, tanto em quantidade quanto em qualidade. É preciosa em sua utilidade, na manutenção da saúde, da higiene e da qualidade de vida.

A questão do tratamento de água, portanto, é um item prioritário dentro saneamento. Ela tem relação com o tratamento do esgoto, já que a captação da água em geral é realizada em rios ou represas, de águas superficiais ou poços perfurados, para atender a demanda da população e industrial. Se estiverem contaminadas, mais caro é o tratamento e maiores riscos têm a população.

Após retirada de rios ou poços, a água em geral vai para estações de tratamento

Após retirada de rios ou poços, a água em geral vai para estações de tratamento

Nilton Fukuda/Agência Estado/27-01-15

Leia mais: Esgoto a céu aberto é tormento para mais da metade dos brasileiros

Todo o sistema está inter-relacionado, conforme explica a a engenheira ambiental Amanda Rodrigues Inácio, pesquisadora da Unicamp, mestre em Engenharia Civil - Saneamento e Ambiente e coordenadora do Sistema de Gestão Ambiental do Senac Campinas.

“É dos rios e córregos que coletamos água para tratá-la e torná-la potável (quando a cidade possui estação de tratamento de água). Além do esgoto não tratado que é lançado em rios, temos também situações onde resíduos sólidos são depositados em recursos hídricos. Isso acontece, geralmente, em cidades onde a Política Nacional de Resíduos Sólidos não está sendo atendida e não possuem um aterro sanitário.“

A poluição dos rios, portanto, torna mais lento o processo de levar a água de boa qualidade aos cidadãos.

“Quando não há tratamento de esgoto e coleta e destinação de resíduos sólidos, estamos poluindo a água que deveria ser limpa e ter qualidade para utilizarmos. Consequentemente, o tratamento da água desse rio será mais trabalhoso e custará mais também”, completa a professora.

Razões políticas

Segundo o SNIS de 2017, 83,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água. Isso significa que há outros 16,5%, totalizando quase 35 milhões de brasileiros que não são atendidos por este serviço básico.

No Brasil a regulamentação e monitoramento da potabilidade da água são feitos pelos governos federal, estadual e municipal. Também há legislações que determinam a vigilância sobre poluição ambiental na água e efluentes industriais, técnicas de reuso, entre outras. A água tratada tem recebido adição de flúor, o que reduz em 65% a incidência de cáries na população.

Brasil também está ameaçado pela crise hídrica, com diminuição de reservas

Brasil também está ameaçado pela crise hídrica, com diminuição de reservas

Luis Moura/Agência Estado/07-05-14

Segundo levantamento da ANA (Agência Nacional de Águas), responsável pela fiscalização e classificação, 71% das águas brasileiras são consideradas de boa qualidade.

A questão é que, nos centros urbanos, as águas, provenientes de rios com nascentes distantes, até mesmo na região amazônica (onde se concentra a maior parte destas águas), estão, em geral, em péssimas condições.

Exemplo disso é o rio Tietê, que é limpo em áreas próximas à nascente e depósito de esgoto na capital paulista. Condições técnicas para reverter essa situação já existem há algum tempo, segundo a professora Amanda.

“O fato de o tratamento de água ainda não ser acessível a todos é motivado por razões orçamentárias e políticas. Mas uma causa pode ser totalmente descartada: falta de conhecimento ou de opções de técnicas de tratamento.”

Neste sentido, técnicas eficientes são as mais custosas, segundo ela.

“Temos formas de tratar a água que são extremamente eficientes e que custam mais, como os sistemas por membranas de ultrafiltração, mas também temos técnicas que são aplicáveis a regiões ou países que possuem menos recursos financeiros e que apresentam resultados satisfatórios. É necessário que haja esforços políticos para que o tratamento de água e efluentes possa ser disseminado no nosso país”, afirma.

Estágios de tratamento

A ANA é a agência que também viabiliza esse serviço para uma empresa. Mas as próprias empresas precisam também pagar pelo serviço, já que a água é um bem de domínio público, limitado e de valor econômico, segundo estabelece a Lei das Águas, de 1997.

Os estágios para o tratamento da água são a captação, a adução e filtragem. Após retirada dos rios ou poços (captação), a água pode ser transportada para duas direções, neste processo de adução. Uma é para a ETA (Estação de Tratamento de Tratmento Água) ou, já tratada, para um sistema de distribuição.

Ausência de tratamento de água gera enormes riscos para a população

Ausência de tratamento de água gera enormes riscos para a população

Dida Sampaio/Agência Estado/27-03-19

As formas de transporte em geral são por gravidade (no conduto forçado, a água escoa sob pressão superior à atmosfera) ou recalque (transporte em adutoras por meio de bombeamento).

Na filtragem, ela chega em geral 95% livre de impurezas. Mas o processo é concluído, com tratamento por filtros em que são utilizados areia, carvão ativado e pedregulhos, antes dos testes finais para aferir a turbidez, o PH (acidez), o nível de cloro, temperatura, alcalinidade, metais e a cor.

A questão do esgoto na água também influencia na diminuição da disponibilidade de água. Crises recentes de escassez de chuva e esvaziamento dos reservatórios já colocaram em xeque a gestão dos governos e a forma de consumo da população.

Não importa se o país possua recursos hídricos abundantes. A crise hídrica, que já teve início em algumas regiões, ameaça a todos, inclusive o Brasil, que está vendo suas reservas de água potável diminuírem.

Entre as causas estão o aumento do consumo, do desperdício, da proliferação de esgotos e resíduos tóxicos e efeitos do aquecimento global, que poluem as águas superficiais e subterrâneas do País.

Fonte - SNIS 2017

Fonte - SNIS 2017

Arte/R7