Brasil Quase metade dos brasileiros não tem preferência por partidos

Quase metade dos brasileiros não tem preferência por partidos

Levantamento sobre eleições presidenciais mostra que 44% da população está pessimista; para 79%, é importante candidato crer em Deus

Quase metade dos brasileiros não tem preferência por partidos

Votação ocorre em 2 de outubro

Votação ocorre em 2 de outubro

Divulgação/TSE

Quase metade dos brasileiros (48%) não tem preferência por nenhum partido, de acordo com pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (13) sobre as eleições presidenciais deste ano.

De acordo com o levantamento, encomendado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), o PT é o partido com maior percentual de apoiadores, com 19% de apoio. Somente outros três partidos tiveram mais de 1% de preferência: MDB (7%), o PSDB (6%) e o PSOL (2%).

A pesquisa ouviu 2.000 pessoas em 127 cidades, entre 7 e 10 de dezembro de 2017. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Eleitores pessimistas

Segundo o levantamento, a eleição presidencial de outubro é vista com pessimismo por 44% dos brasileiros, principalmente devido à corrupção, enquanto 20% veem o pleito com otimismo, apontando em especial a expectativa por mudança e renovação.

Entre os principais motivos do pessimismo destacam-se a corrupção (citada por 30%), a falta de confiança nos governantes e candidatos (10%) e a falta de opção entre os pré-candidatos (16%).

Já os otimistas apontaram como principais motivos a expectativa de mudança e renovação (32%), a esperança no voto e participação popular (19%) e o sentimento de melhorias em geral (11%).

Entre os 2.000 entrevistados, 23% disseram não estar otimistas nem pessimista com o pleito, e 13% disseram não saber ou não responderam.

Controles de gastos e crença religiosa

A pesquisa mostrou ainda que 92% da população considera importante ou muito importante que o candidato à Presidência defenda o controle dos gastos públicos, e que conhecer os problemas do país é a característica profissional apontada como mais importante para um candidato. Entre as características pessoais, a mais citada foi ser honesto e não mentir na campanha.

Com relação à religião, a pesquisa revela que, para 79% dos brasileiros, é importante que um candidato a presidente acredite em Deus. Esse percentual é menor entre os mais jovens (71%) e entre os que possuem maior grau de instrução (67%), e maior entre os brasileiros que possuem até a 4ª série do ensino fundamental (89%), os que vivem em cidades com até 50 mil habitantes (84%) e os que moram no interior (82%).

Já 3% dos brasileiros são indiferentes à questão, enquanto que 18% dos entrevistados afirmam que crer em Deus não é importante.

    Access log