Brasil Queiroga anuncia 50 milhões de doses de vacina com IFA da China

Queiroga anuncia 50 milhões de doses de vacina com IFA da China

Ministro da Saúde comemorou acordo de transferência tecnológica assinado nesta terça-feira (1º) entre a Fiocruz e a AstraZeneca

Reuters - Brasil
Queiroga diz que objetivo é oferecer, até o final do ano, imunização para toda a população brasileira

Queiroga diz que objetivo é oferecer, até o final do ano, imunização para toda a população brasileira

Adriano Machado/ REUTERS 06.05.2021

O Brasil vai receber insumos da China para a Fundação Oswaldo Cruz produzir 50 milhões de doses da vacina da AstraZeneca contra covid-19, no âmbito do acordo de transferência de tecnologia do imunizante assinado nesta terça-feira (1º) entre a Fiocruz e a empresa, segundo o Ministério da Saúde.

O acerto formalizado em ato com a presença do presidente Jair Bolsonaro vai garantir um fluxo de imunizantes da AstraZeneca até que todo o processo de transferência de tecnologia entre as partes seja concluído, o que está previsto para ocorrer em outubro.

A partir daí, o contrato prevê que outras 60 milhões de doses da vacina da AstraZeneca serão totalmente fabricadas no Brasil, com insumo farmacêutico ativo (IFA) produzido no país.

"Tenho imenso prazer em anunciar a assinatura do contrato da Fiocruz para o fornecimento de aproximadamente 50 milhões de doses com lotes de IFA da China para a população brasileira, ampliando ainda mais a capacidade do nosso Programa Nacional de Imunização e garantindo que a nossa população estará imunizada dentro do mais curto espaço de tempo possível", disse.

No evento de assinatura da transferência de tecnologia, que contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro, Queiroga chamou a parceria de exitosa e destacou que o chefe do Executivo, desde o início, deixou claro que o compromisso é promover a saúde e manter a economia, frisando que o binômio saúde-economia é "indissociável".

"Nosso objetivo é oferecer até o final do ano imunização para toda a população brasileira", disse Queiroga.

Últimas