Surto de varíola do macaco

Brasil Queiroga diz que surto de varíola do macaco ainda não preocupa

Queiroga diz que surto de varíola do macaco ainda não preocupa

Ministro da Saúde afirma que pasta vai monitorar evolução da doença no mundo, mas diz que não há risco ao Brasil no momento

  • Brasil | Augusto Fernandes, do R7, em Brasília

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

Marcos Lopes/MS - 20.05.2022

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira (26) que a varíola do macaco ainda não é motivo de preocupação para o Brasil. De acordo com ele, o governo federal vai acompanhar a evolução mundial da doença. Por ora, ele descarta a hipótese de risco de surto no país. Até o momento, nenhum caso da enfermidade foi registrado em solo brasileiro.

"Não é um motivo de preocupação. É um motivo de monitorar e verificar como é que esse cenário se estabelece no mundo inteiro", declarou Queiroga. "Eu estive agora na OMS [Organização Mundial da Saúde], e esse tema foi tratado lá. Há um monitoramento desses casos, mas não há uma preocupação efetiva com um impacto maior dessa situação no Brasil", acrescentou.

O ministro afirmou também que, agora, o governo brasileiro não pensa em imunizar a população contra a varíola do macaco. No entanto, caso o país seja acometido por um surto, o Ministério da Saúde poderá montar um esquema de vacinação.

"Ainda não temos vacinas disponíveis em larga escala e não temos dados objetivos acerca dessa questão. Mas, se houver um consenso nesse sentido [de vacinar os brasileiros] e houver uma política pública efetiva, se localizará o público-alvo e, eventualmente, se tomará toda medida que for necessária", declarou Queiroga.

Nesta semana, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações constituiu, em caráter consultivo, uma câmara técnica de pesquisa para acompanhar os desdobramentos científicos referentes ao vírus da varíola do macaco. Além disso, o Ministério da Saúde montou um grupo de trabalho para monitorar a evolução do surto da doença e definir protocolos para identificar possíveis casos que surjam no Brasil.

Últimas