CPI da Covid

Brasil Queiroga evita dizer se apoia decreto contra restrições

Queiroga evita dizer se apoia decreto contra restrições

Ideia foi levantada pelo presidente Jair Bolsonaro na quarta-feira contra medidas de quarentena em estados e municípios

  • Brasil | Do R7

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

Edilson Rodrigues/Agência Senado 06.05.2021

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, evitou nesta quinta-feira (6), na CPI da Covid do Senado, posicionar-se sobre temas polêmicos envolvendo a atuação do governo e do presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia de covid-19.

Pressionado sobre a ideia de um possível decreto contra as medidas de restrição de circulação impostas por estados e municípios, ideia ventilada por Bolsonaro na quarta-feira (5), o ministro afirmou que a proposta não é sua e que trabalhará para evitar medidas extremas. "Nós vamos trabalhar para evitar medidas extremas como essas, de fechamento das cidades", limitou-se a dizer.

Bolsonaro afirmou que o decreto seria com base na Constituição, sem dar maiores detalhes. O STF já decidiu que estados e municípios também têm competência para medidas restritivas, o que significa que duas decisões sobre a quarentena não podem ser revogadas pelo governo federal. 

O ministro Marcelo Queiroga também afirmou nesta quinta que "fazer juízo de valor acerca do que o presidente fala não é competência do ministro da Saúde". Ele se manifestou nesse sentido quando questionado sobre se as falas do presidente teriam impacto sobre a vacinação. 

Outra tema que foi colocado a Queiroga nesta quinta foi a recusa pelo governo federal da compra de 70 milhões de doses de vacinas da Pfizer, após oferta do laboratório em agosto do ano passado. O ministro afirmou que está no cargo há 40 dias e que não tem como avaliar se houve erro na condução do tema.

A previsão do laboratório era iniciar a entrega das primeiras doses já em dezembro. Como a compra não foi efetivada no ano passado, as primeiras remessas só chegaram no final de abril. 

Gestão anterior

Queiroga também evitou apontar falhas na gestão de Eduardo Pazuello. Segundo o atual ministro, ele encontrou o sistema de logística montado adequadamente, o que permitiu a entrega com agilidade dos kits intubação e das vacinas. Também desconversou ao falar sobre a entrega de testes em gestões anteriores.

O atual ministro afirmou ainda que a culpa pelo alto número de mortos por covid-19 ocorreu por falta de fortalecimento do SUS (Sistema Único de Saúde).

Queiroga afirmou que todos os países do mundo estão sofrendo para enfrentar a pandemia. E citou que o sistema de saúde inglês e italiano tiveram muita dificuldade para enfrentar o novo coronavírus. Neste momento, ele foi cortado pelo relator da CPI, Renan Calheiros: "Não dá para comparar, porque nenhum desses países tratou a doença como gripezinha."

O ministro citou que mais de 77 milhões de vacinas já foram distribuídas para o país, o que coloca o Brasil na quinta posição mundial entre os que mais imunizam sua população.

Últimas