Brasil 'Querem decidir as coisas no tapetão no Brasil', diz Bolsonaro

'Querem decidir as coisas no tapetão no Brasil', diz Bolsonaro

Bolsonaro participou neste sábado (7) de uma motociata promovida por apoiadores, em Florianópolis (SC)

Agência Estado
O presidente Jair Bolsonaro durante motociata em Florianópolis (SC)

O presidente Jair Bolsonaro durante motociata em Florianópolis (SC)

DOUGLAS ABREU/ISHOOT/ESTADÃO CONTEÚDO-07/08/2021

O presidente Jair Bolsonaro voltou neste sábado (7) a fazer acusações contra o sistema eleitoral brasileiro. "Querem no tapetão decidir as coisas no Brasil. Isso não pode ser dessa maneira. Democracia nasce do voto responsável e contabilizado", disse durante transmissão nas redes sociais ao chegar para uma motociata com apoiadores em Florianópolis (SC).

Bolsonaro quer o voto impresso para as eleições de 2022, mas a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que muda o sistema de votação no Brasil foi derrotada na comissão especial por 23 a 11. Ontem, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), anunciou que, a despeito da rejeição, decidiu levar para o plenário a discussão sobre o voto impresso.

A proposta que institui o voto impresso no Brasil deve ser votada no plenário da Câmara até a próxima quarta-feira. Para ser aprovado, o texto precisa de pelo menos 308 votos na Câmara e 49 no Senado, em duas votações em cada Casa, um número que dirigentes de partidos acham muito difícil de alcançar em razão do cenário de crise. Lira já avisou a Bolsonaro que, se o texto for rejeitado, não aceitará ruptura institucional.

Na transmissão de hoje, Bolsonaro disse que "reconhece o que está em risco com a política" e afirmou que os políticos precisam "ouvir a população". "Há preocupação por parte de muita gente com o destino da política do nosso país, com sua liberdade", afirmou. O presidente ainda citou "dificuldades" enfrentadas, como a pandemia de covid-19, a crise hidrológica e a geada que afetou a produção no campo, mas disse ter "lealdade" ao povo.

Na última terça-feira (3), Bolsonaro se tornou alvo de uma investigação instaurada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em razão das alegações sobre fraudes nas urnas eletrônicas.

A notícia-crime contra Bolsonaro foi apresentada ao STF na noite de segunda (2) pelo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, que atualmente é o alvo preferencial dos ataques do presidente. O pedido de investigação veio depois de Bolsonaro fazer uma live apresentando vídeos antigos e informações falsas contra as urnas eletrônicas, alegando mais uma vez que o sistema é fraudável.

Após essa live, Bolsonaro também se tornou alvo de inquérito administrativo no TSE, que vai apurar se o presidente praticou "abuso do poder econômico e político, uso indevido dos meios de comunicação, corrupção, fraude, condutas vedadas a agentes públicos e propaganda extemporânea".

Últimas