Brasil Ramos: comparar país com regime nazista foi inoportuno e infeliz

Ramos: comparar país com regime nazista foi inoportuno e infeliz

Comentário foi feito pelo decano do STF, Celso de Mello, relator do inquérito que investiga se Bolsonaro tentou intervir na Polícia Federal

  • Brasil | Do R7

Ramos pede respeito ao presidente Bolsonaro

Ramos pede respeito ao presidente Bolsonaro

REUTERS/Ueslei Marcelino

O ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, criticou nesta segunda-feira (1º) o comentário do decano do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello, que, no fim de semana, afirmou a outros ministros da Corte em uma mensagem no WhatsApp que o país corre risco de sofrer o que ocorreu na Alemanha nazista.

Celso de Mello encaminha à PGR pedido para ouvir Bolsonaro

"A democracia brasileira não merece isso. Por favor, respeite o presidente Bolsonaro e tenha mais amor à nossa pátria", disse Ramos.

Celso de Mello, que deixará o cargo em novembro, quando completa a idade limite para a função de 75 anos, é o relator do inquérito que investiga as acusações de que Bolsonaro tentou intervir politicamente na Polícia Federal, de acordo com denúncia do ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Leia Mais: Celso de Mello arquiva notícia-crime contra Moro

Na mensagem, o ministro comenta que “guardadas as proporções, o ovo da serpente, à semelhança do que ocorreu na República de Weimar (1919-1933), parece estar prestes a eclodir no Brasil! É preciso resistir à destruição da ordem democrática, para evitar o que ocorreu na República de Weimar quando Hitler, após eleito pelo voto popular e posteriormente nomeado pelo presidente Paul von Hindenburg , em 30/01/1933 , como chanceler (primeiro ministro) da Alemanha (“Reinchskanzler”), não hesitou em romper e nulificar a progressista, democrática e inovadora constituição de Weimar, de 11/08/1919”.

Em outro trecho ele afirma que “'Intervenção militar', como pretendida por bolsonaristas e outras lideranças autocráticas que desprezam a liberdade e odeiam a democracia, nada mais significa, na novilíngua bolsonarista, senão a instauração, no Brasil, de uma despresível e abjeta ditadura militar."

Últimas