Reforma da Previdência

Brasil Reforma será aprovada até fim do 1.º semestre, diz Joice Hasselmann

Reforma será aprovada até fim do 1.º semestre, diz Joice Hasselmann

Líder do governo afirma que há tempo hábil para que a Previdência passe na Câmara e cobrou apoio de empresários para pressionar deputados

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann

ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), disse durante abertura da 35.ª Apas Show, em São Paulo, que a reforma da Previdência será aprovada até o fim do primeiro semestre na Câmara. "Pela nossa força aqui, a gente aprova certamente na Câmara até o final do primeiro semestre. A questão é o tamanho que se aprova. A gente não pode fazer uma lipoaspiração na Previdência. Ela não pode ser magrela. Tem de ser igual eu, fortinha", disse, arrancando aplausos da plateia de supermercadistas.

Leia mais: Aposentadorias por invalidez disparam 70% no 1º trimestre

Ela disse ainda que há tempo hábil para que a Previdência seja aprovada neste período. "A gente está trabalhando para levá-la direto a Plenário após a comissão especial", afirmou. Ela cobrou ainda o apoio do setor para pressionar os deputados para aprovarem a reforma.

"Se todos os parlamentares fizerem o seu trabalho direitinho, a gente consegue marcar este golaço e aí é só esperar que a gente parte para a reforma tributária", disse a deputada.

Na sua fala, ela disse ainda que a reforma previdenciária é um tema que pode unir prefeitos e governadores "independente de partidos". "Interessa a todos municípios, a todos os Estados, a todos os governadores, a todos os prefeitos", disse.

Passo a passo da reforma

A proposta de reforma da Previdência já foi aprovada na CCJ (Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça) da Câmara dos Deputados em abril. O texto passa por análise do mérito agora na comissão especial da Câmara. O próximo passo, caso aprovado, é seguir para a Câmara dos Deputados, onde será votado por todos os parlamentares.

O texto será submetido a dois turnos de discussão e votação na Casa, sendo que precisa de três quintos dos votos dos deputados — 308 votos, em votação nominal.

No Senado, a proposta será analisada pela CCJ da Casa e pelo plenário. São necessários 49 votos para que a reforma seja aprovada.

Se o Senado aprovar a proposta recebida da Câmara integralmente, o texto será promulgado em seguida pelo Congresso Nacional, tornando-se uma emenda à Constituição. Se houver mudanças, a proposta volta para as Casas para ser reanalisada.

Últimas