Reforma da Previdência
Brasil Relator ainda espera economia de R$ 1 tri com medidas de receita

Relator ainda espera economia de R$ 1 tri com medidas de receita

Ele não quis dar detalhes sobre regras de transição e disse que isso será apresentado em seu relatório nesta quinta-feira, na comissão especial

O relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira

O relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP), disse que ainda espera uma economia de R$ 1 trilhão com seu relatório que será apresentado nesta quinta-feira (13), na comissão especial da Câmara.

"Nós acreditamos que, com mais algumas medidas no ponto de vista de receita, a gente possa equilibrar alguns pontos para obter uma economia de R$ 1 trilhão ainda temos possibilidade", disse ele ao ser questionado sobre a economia.

"É evidentemente que é uma votação de 3/5 e precisamos construir maioria o tempo todo para aprovarmos o projeto que será lido amanhã (quinta), mas estou com muita esperança e convicção de que vamos construir", disse.

Ele não quis dar detalhes sobre regras de transição e disse que isso será apresentado em seu relatório nesta quinta.

Salário mínimo

O líder da maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que a reforma da Previdência vai "preservar o cidadão que ganha até um salário mínimo". O líder fez questão de dizer que está é "a reforma do parlamento".

"O parlamento brasileiro está fazendo a reforma que é justa com o Brasil. Para preservar os vulneráveis, e é nesse sentido que estamos preservando o cidadão que ganha até um salário mínimo, que não será atingido", afirmou.

Assim como Maia, Ribeiro lembrou da reforma anterior, a de Michel Temer, e disse que o texto anterior ajudou a melhorar o ambiente para a reforma agora. "Naquele instante tínhamos um instante bastante diferente. Um ambiente hostil sobre a Previdência, como muitas dúvidas", disse.

Ele afirmou que, agora, os líderes terão de se esforçar para aprovar a reforma. "Cada um de nós vai ter de envidar esforços para que se possa chegar à aprovação e que essa reforma seja justa para o povo", disse.