CPI da Covid

Brasil Ricardo Barros se defende de denúncia por compra da Covaxin

Ricardo Barros se defende de denúncia por compra da Covaxin

Carlos Miranda afirmou à CPI que Bolsonaro teria apontado o líder de seu governo como responsável pela compra irregular da vacina 

  • Brasil | Do R7

 O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR)

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR)

Michel Jesus/Câmara dos Deputados

O deputado federal e líder do governo Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), se defendeu nas redes sociais após ser citado na CPI da Covid como o deputado que o próprio presidente Jair Bolsonaro apontou como responsável por suposto esquema na compra irregular da vacina indiana Covaxin.

“Não participei de nenhuma negociação em relação a compra das vacinas Covaxin. ‘Não sou esse parlamentar citado’ (sic). A investigação provará isso”, escreveu em suas redes sociais.

Em outra publicação, Barros também afirmou que está à “disposição para quaisquer esclarecimentos”. Depois da confissão de Miranda do nome do deputado, a cúpula da CPI da Covid já se movimenta para convocar o líder do governo a depor na Câmara dos Deputados.

A citação a ele veio do depoimento desta sexta-feira (25) na CPI, do também deputado federal Luis Miranda (DEM-DF). Segundo o parlamentar, ele teria recebido as informações de seu irmão: o servidor do Ministério da Saúde Ricardo Miranda, com quem teria ido a reunião presencial com Bolsonaro para denunciar o caso.

No encontro, segundo o deputado Miranda, o presidente teria reagido a denúncia apontando o deputado Ricardo Barros como responsável pela compra irregular de 300 mil doses da Covaxin. Ainda de acordo com o deputado, o presidente então teria prometido pedir investigação à Polícia Federal do caso.

Últimas