Brasil Salles inspeciona áreas em Mato Grosso atingidas pelo fogo

Salles inspeciona áreas em Mato Grosso atingidas pelo fogo

Ministro do Meio Ambiente vai sobrevoar áreas afetadas pelos incêndios que há meses consomem a vegetação do estado, sobretudo no Pantanal

Salles vai sobrevoar áreas atingidas por incêndios no Mato Grosso

Salles vai sobrevoar áreas atingidas por incêndios no Mato Grosso

Amanda Perobelli/Reuters - 27.08.2020

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou na manhã desta quinta-feira (24) a Poconé (MT), a cerca de 100 quilômetros de Cuiabá. Salles vai inspecionar algumas das áreas afetadas pelos incêndios que há meses consomem a vegetação em diferentes regiões do estado, sobretudo no Pantanal.

Leia mais: Pantanal: Força Nacional inicia apoio em meio a recorde de focos

Em pouco mais de um mês, é a segunda vez que o ministro visita a região para checar as ações de combate ao fogo e a real dimensão dos estragos que o fogo vem causando à flora e a fauna locais. Em 18 de agosto, Salles sobrevoou, na companhia do governador do estado, Mauro Mendes, áreas próximas ao Parque Estadual Encontro das Águas, em Poconé. Na ocasião, o ministro prometeu disponibilizar “tudo o que fosse necessário para conter os incêndios”.

Veja também: Amazônia perde 32 mi de campos de futebol de vegetação em 18 anos

Segundo a secretária do Meio Ambiente de Poconé, Danielle Assis, mais de 50% do parque estadual de 108 mil hectares foram atingidos pelas chamas. Cada hectare corresponde aproximadamente às medidas de um campo de futebol oficial. Já organizações não governamentais, como o Instituto Centro da Vida, calculam que cerca de 85% da unidade de conservação estadual foram afetados.

“As chamas, hoje, já estão bem mais reduzidas, devido às chuvas dos últimos dias. Só que essas chuvas são extemporâneas [ocasionais]. A temperatura já voltou a subir e tememos que os focos [de incêndios] ressurjam”, declarou a secretária à Agência Brasil.

Danielle disse que só em Poconé foram queimados mais de 300 mil hectares. Para ela, a situação reforça a necessidade de um plano integrado de combate aos incêndios.

“Infelizmente, este ano, só nos resta continuar combatendo os incêndios, mas, para o futuro, precisamos planejar. Já iniciamos uma conversa com o Corpo de Bombeiros e, até o fim do ano, implantaremos uma base fixa do Corpo de Bombeiros. Assim, conseguiremos iniciar o combate aos focos tão logo eles sejam detectados, logo no início, evitando que eles tomem tamanha proporção”, acrescentou a secretária, revelando que mais de 200 profissionais continuam atuando na região.

A secretária de Meio Ambiente de Poconé também destacou a importância de se pensar legislações específicas para o Pantanal, uma das propostas iniciais da comissão temporária externa que o Senado instalou na semana passada para acompanhar as ações de enfrentamento aos incêndios no Pantanal. Formada por quatro titulares e quatro suplentes, a comissão visitou Mato Grosso no último sábado (19).

Ao fim da visita, o presidente da comissão, senador Wellington Fagundes (PL-MT), classificou o cenário ao longo do percurso entre Cuiabá e Poconé como “devastador e desolador”. “Hoje a situação do Pantanal é um estado de guerra. Brigadistas e voluntários estão trabalhando de forma sobre-humana por causa da falta de planejamento. Não nos calçamos através da ciência e da tecnologia para isso”, acrescentou Fagundes. Os senadores que integram a comissão defendem a criação do chamado Estatuto do Pantanal, uma legislação federal específica para o bioma Pantanal.

Segundo a secretária, nenhum representante da prefeitura foi convidado a acompanhar a comitiva ministerial.

Últimas