Operação Carne Fraca
Brasil Segurança Alimentar de Hong Kong pede esclarecimentos sobre Trapaça

Segurança Alimentar de Hong Kong pede esclarecimentos sobre Trapaça

CFS informou nesta terça-feira (6) que está investigando se produtos envolvidos na investigação chegaram ao mercado local

Centro de Segurança Alimentar Hong Kong Trapaça

CFS de Hong Kong  pede esclarecimentos sobre Trapaça

CFS de Hong Kong pede esclarecimentos sobre Trapaça

GERALDO BUBNIAK/AGB/ESTADÃO CONTEÚDO - 05.03.2018

O Centro de Segurança Alimentar de Hong Kong (CFS, na sigla em inglês) informou ter pedido esclarecimentos às autoridades brasileiras sobre a terceira fase da Operação Carne Fraca, que teve como alvo a empresa BRF, uma das principais exportadores de carne de aves e suínos do País.

Em um comunicado de alerta sobre incidentes alimentares, publicado em seu site nesta terça-feira (6), o CFS diz que está investigando se produtos envolvidos na investigação chegaram ao mercado local.

EXCLUSIVO: e-mails mostram como BRF tentou abafar fraudes

O órgão do governo de Hong Kong relatou ainda que "permanecerá vigilante, monitorando qualquer novo desenvolvimento sobre o caso, e irá tomar as medidas adequadas quando necessário".

Batizada de Trapaça, a operação da segunda-feira (5) da Polícia Federal teve como alvo apenas a BRF e resultou em 11 mandados de prisão temporária. Entre elas, a de Pedro Faria, presidente da empresa até o ano passado.

A Trapaça aponta que cinco laboratórios credenciados no Ministério da Agricultura e setores de análises da BRF fraudavam resultados de amostras, informando ao SIF (Serviço de Inspeção Federal) dados fictícios.

Ainda na segunda, a União Europeia pediu esclarecimentos ao Brasil sobre a operação. Bruxelas não afastou a possibilidade de aplicar novas medidas restritivas contra os produtos brasileiros caso considere que seja necessário.

No ano passado, Hong Kong proibiu a importação de carnes de aves congeladas e refrigeradas do Brasil quatro dias após a deflagração da primeira fase da Carne Fraca.