Novo Coronavírus

Brasil 'Seria adequado conhecimento maior', diz Teich sobre Pazuello

'Seria adequado conhecimento maior', diz Teich sobre Pazuello

Declaração foi dada pelo ex-ministro da Saúde durante depoimento à CPI da covid-19 no Senado Federal nesta quarta-feira (5)

  • Brasil | Plínio Aguiar, do R7

Na imagem, ex-ministro da Saúde Nelson Teich

Na imagem, ex-ministro da Saúde Nelson Teich

Jefferson Rudy/Agência Senado - 05.05.2021

Em depoimento nesta quarta-feira (5) na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19, o ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou que o general Eduardo Pazuello contribuiu para a pasta enquanto ocupava o cargo de secretário-executivo do Ministério da Saúde, mas criticou sua posição enquanto ministro.

"Eu acho que ele fez o papel dele. Contribuiu, sim [como secretário-executivo]. Lembro da gente buscando respiradores antes de irem para distribuição. A gente tentou trabalhar essa distribuição, porque aquele momento era bem difícil. Estava faltando no mundo, era uma competição mundial por EPIs [equipamentos de proteção individual], por respirador, e eu via atuando dedicado e conseguindo entregar as coisas", disse Teich.

Na sequência, contudo, criticou Pazuello ao assumir a posição de titular do ministério. "Na posição de ministro, seria mais adequado um conhecimento maior sobre gestão de saúde", avaliou.

Teich afirmou que teve autonomia para formar a equipe do ministério, com exceção de Pazuello na secretaria-executiva. "Mas todas as outras secretarias foram todas mantidas em nível técnico", explicou. 

O ex-titular falou da Saúde, ainda, se havia interferência feita pelo governo federal em sua gestão. "A única coisa que tinha uma discussão era sobre cloroquina. Inclusive quando eu entrei, nunca teve uma coisa específica sobre tentar interferir no que eu fazia", discursou.

Teich saiu do cargo 29 dias após assumir o Ministério. Seu sucessor foi o general da ativa Eduardo Pazuello. Questionado pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) se o general foi imposto, negou. "Se ele tivesse sido imposto eu sairia em uma semana ao invés de um mês", afirmou.

Últimas