Sistema 'entrará em colapso' no final de abril, diz ministro da Saúde

Luiz Henrique Mandetta prevê que a pandemia deve ganhar força no Brasil até junho e registrar "queda profunda" em setembro

Mandetta

Ministério trabalha com programa de telemedicina

Ministério trabalha com programa de telemedicina

Marcos Corrêa/PR

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira (20) que o sistema de saúde brasileiro "entrará em colapso" no final de abril devido ao avanço do coronavírus.

"As pessoas confundem colapso com sistemas caóticos. O colapso é quando você pode ter o dinheiro, ter o plano de saúde e a ordem judicial, mas simplesmente não há o sistema para se tratar. É o que está acontecendo na Itália", explicou Mandetta em videoconferência a empresários brasileiros.

Leia mais: Governo corta a 0 projeção para crescimento do PIB em 2020

Na análise de Mandetta com base na evolução do coronavírus no mundo ocidental, as infecções ainda vão ganhar força e aumentar rapidamente nos meses de abril, maio e junho.

"Devemos entrar em abril no início da subida rápida, que vai durar até o mês de junho, quando ela vai começar a ter uma desaceleração de subida. No mês de julho, deve começar o platô. Em agosto, esses platô vai começar a mostrar tendência de queda e, em setembro, essa queda é mais profunda, como foi a de março na China", previu Mandetta.

Veja também: Entenda o que significa estado de calamidade pública

O ministro, avalia ainda que pode ser necessário "segurar a movimentação" de idosos para diminuir a transmissão do coronavírus e evitar o colapso do sistema.

"Mais difícil do que fechar uma cidade, um supermercado e um shopping é saber o momento de reabrir. É preciso de uma série de informações para reabrir os locais com segurança”, observou.

Mandetta anunciou ainda que o Ministério da Saúde planeja promover "o maior programa de telemedicina" com a intenção de antecipar os sintomas e bloquear a proliferação do coronavírus.