Brasil SP aplicou 4 milhões de doses da Coronavac de lote interditado

SP aplicou 4 milhões de doses da Coronavac de lote interditado

Em nota, governo estadual disse que doses ainda não apresentaram intercorrências e reafirmou convicção na Coronavac

Governo disse que suspensão de lote não deve causar alarmismo

Governo disse que suspensão de lote não deve causar alarmismo

Roman Pilipey/EFE/EPA - 26.08.2020

O governo do estado de São Paulo informou na noite deste sábado (4), que cerca de 4 milhões de doses da Coronavac do lote interditado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) foram aplicadas. Em nota, a gestão Doria ainda reafirmou convicção da segurança e eficácia da Coronavac e acrescentou que nenhuma reação adversa foi registrada do lote. 

"De todo modo, toda a rede está orientada sobre a importância do monitoramento de todas as pessoas vacinadas, independentemente do imunizante administrado. O Estado aguardará parecer das autoridades sanitárias para proceder com a distribuição de 1,5 milhão de doses da Coronavac entregues a SP ontem", completou o governo.

A Anvisa determinou neste sábado (4) a interdição cautelar de 21 milhões de doses da Coronavac porque estas vacinas foram envasadas em fábrica não inspecionada da Sinovac, na China, e, portanto, não têm aprovação para uso emergencial no Brasil. 

Em resposta o Instituto Butantan convidou a cúpula da Anvisa para voltar a conhecer as instalações das fábricas. Ligado ao governo de São Paulo, o órgão afirma  afirma que encaminhou há 15 dias a documentação necessária para a certificação do processo.

"Por isso, temos convicção de que ela será concedida em breve. Caso necessário, pode complementar a solicitação com mais dados, inclusive da Sinovac, caso a agência julgue necessário", informou o instituto. 

Primeira vacina a ser aplicada no Brasil, a Coronavac deve vacinar cerca de 100 milhões de brasileiros até o fim do ano. Em setembro, está prevista a entrega de mais 7 milhões de doses, para cumprir o contrato entre o governo Bolsonaro e o Instituto Butantan. 

Últimas