STF

Brasil STF determina retomada da investigação de interferência na PF

STF determina retomada da investigação de interferência na PF

Ministro do STF afirmou que há necessidade de mais apuração para inquérito sobre denúncia do ex-ministro Sergio Moro

  • Brasil | Do R7

O ministro Alexandre de Moraes, do STF,  que determinou retomada de inquérito

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, que determinou retomada de inquérito

Nelson Jr./SCO/STF - 03.03.2021

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta sexta-feira (30) a retomada pela Polícia Federal do inquérito que investiga a suposta interferência na do presidente Jair Bolsonaro na instituição. A acusão foi feita pelo ex-ministro Sergio Moro, após sua saída da pasta. 

Moraes já havia prorrogado por mais 90 dias o inquérito, que terminaria no dia 27 de julho. Mas viu necessidade de apuração e determinou retomada da investigação. "Considerada a prorrogação de prazo para o término do presente inquérito, por mais 90 dias, contados a partir do dia 27 de julho, e a necessidade de realização de diligências pendentes para o prosseguimento das investigações, não se justifica a manutenção da suspensão da tramitação determinada pelo então relator em exercício, ministro Marco Aurélio, em 17/9/2020", afirma o ministro na decisão.

Moraes é o relator da investigação desde a aposentadoria do ministro Celso de Mello, que conduziu o processo até setembro de este 2020. O inquérito já foi adiado quatro vezes e a forma como o presidente deverá depor à PF também está pendente.

Sergio Moro foi ministro da Justiça do governo Bolsonaro, mas anunciou sua demissão após um ano e quatro meses no primeiro escalão do Planalto, em abril de 2020. Segundo o ex-ministro, sua demissão foi motivada pela troca na direção-geral da Polícia Federal. Por ordem de Bolsonaro, Maurício Valeixo, indicado por Moro, foi afastado do cargo

Últimas