STF

Brasil STF muda norma para levar ações contra autoridades ao plenário

STF muda norma para levar ações contra autoridades ao plenário

Os ministros justificaram a mudança agora por entender que não há mais necessidade de que as Turmas cuidem de assuntos penais

  • Brasil | Do R7, com informações da Reuters

Ações penais contra autoridades serão analisadas pelo plenário

Ações penais contra autoridades serão analisadas pelo plenário

Carlos Moura/SCO/STF - 12.6.2019

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira (7) que inquéritos e ações penais contra autoridades que têm foro privilegiados serão analisadas pelo plenário da Corte e não mais pelas Turmas, sugestão que foi feita no início da sessão administrativa pelo presidente do tribunal, Luiz Fux.

Leia também: Converter flagrante em prisão preventiva é ilegal, decide STF

O julgamento de parlamentares pelas turmas havia sido adotado, por meio de uma mudança regimental em 2014, no momento em que começou a ocorrer uma série de investigações da operação Lava Jato, com um grande volume de assuntos penais.

Os ministros justificaram a mudança agora por entender que não há mais necessidade de que as Turmas cuidem de assuntos penais. Na prática, a alteração pode fortalecer a Lava Jato, uma vez que julgamento de casos referentes à operação precisará do voto de até 11 ministros do plenário -e não mais de 5 ministros de cada uma das turmas.

"Nos crimes comuns, o Presidente da República, o Vice-Presidente da República, os Deputados e Senadores, os Ministros do Supremo Tribunal Federal e o Procurador-Geral da República, e nos crimes comuns e de responsabilidade, os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, ressalvado o disposto no art. 52, I, da Constituição Federal, os membros dos Tribunais Superiores, os do Tribunal de Contas da União e os chefes de missão diplomática de caráter permanente, bem como apreciar pedidos de arquivamento por atipicidade da conduta”, afirma texto de emenda regimental.

Últimas