STF

Brasil Supremo manda soltar senador Delcídio do Amaral

Supremo manda soltar senador Delcídio do Amaral

Petista estava preso desde novembro de 2015 por suposto envolvimento na Lava Jato

  • Brasil | Do R7, com Agência Brasil

Teori Zavascki justificou a decisão dizendo que as etapas da investigação que o senador poderiaintervir já foram executadas

Teori Zavascki justificou a decisão dizendo que as etapas da investigação que o senador poderiaintervir já foram executadas

Pedro França/26.02.2015/Agência Senado

O ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta sexta-feira (19) a soltura do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), preso em novembro do ano passado em operação da PF (Polícia Federal) decorrente da Lava Jato.

Zavascki justificou a decisão da soltura afirmando que a prisão do senador já não é mais necessária porque as etapas da investigação em que o parlamentar poderia interferir, especialmente a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, já foram executadas.

— É inquestionável que o quadro fático atual é bem distinto daquele que ensejou a decretação da prisão cautelar: os atos de investigação em relação aos quais o Senador poderia interferir, especialmente a colaboração premiada de Nestor Cerveró, já foram efetivados e o Ministério Público já ofereceu denúncia contra contra o Agravante.

Leia mais notícias de Brasil e Política

Além de Delcídio do Amaral, o chefe de gabinete do senador, Diogo Ferreira, também foi solto. O senador agora não poderá sair a noite enquanto estiver no exercício do mandato, comparecer a Policia para informar e justificar suas atividades. Delcídio também não poderá mudar de endereço sem autorização e será obrigado a entregar seu passaporte em até 48 horas.

O parlamentar está custodiado no Quartel do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar do Distrito Federal. A prisão do senador foi embasada em uma gravação apresentada à Procuradoria-Geral da República por Bernardo Cerveró, filho de Cerveró.

Segundo a procuradoria, o senador ofereceu R$ 50 mil por mês para Cerveró e sua família, além de um plano de fuga para evitar que o ex-diretor fizesse acordo de delação premiada.

Os fatos ocorreram em uma reunião da qual participaram Bernardo Cerveró, o ex-advogado de Cerveró Edson Ribeiro e o senador Delcídio.

Últimas