Tatuagem 3D ajuda autoestima de mulheres após remoção de mama

Tatuador no Rio de Janeiro separa dois dias de sua agenda a cada dois meses para recriar de graça mamilos de mulheres que sofreram mastectomia

Tatuagem 3D ajuda mulheres a recuperar autoestima após remoção de mama

Mulher passa por reconstrução de mamilo por meio de tatuagem 3D

Mulher passa por reconstrução de mamilo por meio de tatuagem 3D

REUTERS/Ricardo Moraes

Há três anos, depois de passar por uma cirurgia de remoção da mama para evitar o retorno de um câncer, Rosana Silva ficou semanas sem se olhar no espelho. Atualmente, em um estúdio de tatuagem no Recreio dos Bandeirantes, a dona-de-casa de 36 anos não consegue parar de olhar o seio redesenhado pelo tatuador Yurgan Barret.

"Agora está completo, agora está pintado, está bonito. Agora eu já posso me olhar à vontade no espelho", disse Rosana, depois que Yurgan completou a tatuagem da auréola de seu seio operado.

A tatuagem faz parte de iniciativa de Yurgan Barret, 38, que separa dois dias de sua agenda a cada dois meses para recriar de graça o seio de mulheres que passaram pela remoção da mama.

Leia também: Tatuagem de sutiã "muda vida" de inglesa após mastectomia

"A parte que a gente faz de recriar a auréola é bem mais delicada do que uma tatuagem normal. A área é muito sensível, as cicatrizes são grandes", afirmou Yurgan, que usa o método de tatuagem 3D para redesenhar o mamilo e a auréola do seio.

"Poder fazer isso para pessoas que realmente precisam é muito forte. Poder acabar a tatuagem inteira, terminar toda a arte e você ver a felicidade da cliente sair daqui, sinto até arrepio", disse.

Em 2015, Rosana descobriu o câncer de mama após fazer o exame de toque e em poucos meses já havia realizado a mastectomia radical. Em 2016, estava totalmente livre da doença.

Como Rosana, muitas outras mulheres têm a autoestima afetada pela cirurgia.

Tatuador afirma que recriar uma auréola é mais delicado que tatuagem normal

Tatuador afirma que recriar uma auréola é mais delicado que tatuagem normal

REUTERS/Ricardo Moraes

Após a mastectomia, Zélia Souza, de 49 anos, deixou de ir a praia, entrou em depressão e foi abandonada pelo marido. "Quando eu fiz minha cirurgia, ele viu a mama, olhou e falou assim: 'Ficou desse jeito? Sem bico? A cicatriz feia desse jeito?'. Aí foi pior pra mim, porque eu já estava em uma situação de depressão", contou ela.

Saiba mais: Demora no diagnóstico do câncer leva 70% dos casos à mastectomia

Hoje, deitada no estúdio de tatuagem de Yurgan e segurando um ursinho de pelúcia, Zélia assiste ansiosa enquanto o tatuador redesenha seu seio.

Após uma sessão única, não consegue esconder a felicidade. "Lindo, perfeito, tô feliz demais."

Saiba quais são os tipos de câncer mais comuns no Brasil: