Temer confirma reunião com Renan, Maia e Cármen Lúcia

Renan Calheiros e Cármen Lúcia se envolveram em polêmicas públicas nesta semana

Temer articula encontro em os três Poderes

Temer articula encontro em os três Poderes

Beto Barata/18.10.2016/PR

O presidente Michel Temer confirmou, nesta quinta-feira (27), em uma rápida entrevista a jornalistas no Palácio do Planalto, que amanhã fará a reunião entre os chefes dos três Poderes para tratar de segurança pública e que por isso o encontro contará com a presença do ministro da Justiça, Alexandre Moraes.

"Queria apenas dizer que amanhã vamos fazer uma reunião com os vários poderes: Legislativo, Executivo, Judiciário. A ministra Cármen Lúcia, o presidente Renan Calheiros, o presidente Rodrigo Maia e eu próprio, e vamos tratar da questão da segurança pública no país, tanto que chamamos o procurador-Geral da República, o ministro da Justiça, o ministro da Defesa, o ministro da Segurança Institucional, e outras pessoas, como o diretor da Polícia Federal", afirmou.

Esta semana o presidente do Senado, Renan Calheiros, se envolveu em polêmicas públicas com a ministra e presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lucia, além de também criticar a atuação de Moraes no episódio que levou a prisão de policiais legislativos, na última sexta-feira.

O presidente disse não ter "a menor dúvida" de que o ambiente entre todos será harmônico. "O ambiente de harmonia está decretado, não vi nada que pudesse agredir aquilo que a constituição determina e que os chefes de poderes têm falado com muita frequência", afirmou, ressaltando a posição de Cármen Lúcia sobre a harmonia e independência dos poderes.

Temer disse ainda que está satisfeito com a atuação do ministro Moraes e "disse que essas coisas são normais". "Muitas e muitas vezes a pessoa diz uma frase ou outra, recebe uma contestação", disse. "Nossa tarefa é precisamente coordenar e pacificar toda e qualquer relação seja dentro do poder executivo ou mesmo se ultrapassar os limites do executivo", completou.

O presidente deu as declarações após participar de cerimônia de entrega de cartas credenciais no Palácio do Planalto. Na saída, jornalistas pediram que Temer respondesse algumas perguntas, mas ele hesitou e deixou o Salão Leste. Minutos depois, a assessoria do Planalto informou que ele havia mudado de ideia e falaria com os jornalistas.

Temer disse que na reunião de amanhã será o início de um desenho do panorama da segurança pública no País para tentar buscar soluções para o problema. "Esta será uma primeira reunião. Ao depois, reunir-se-ão governadores, secretários de segurança, etc que vão começar a tratar este assunto. Mas será um momento muito significativo, porque é exatamente a reunião dos três poderes do Estado e de outros órgãos que vão pensar juntos como resolver a segurança pública do país", disse.

Temer destacou ainda que a segurança não é uma tarefa da União, que tem só uma parcela de responsabilidade a partir das competências da Polícia Federal. "A segurança pública é uma questão dos Estados, mas é um tema sem dúvida alguma angustiante para todo o povo brasileiro porque nós todos temos que colaborar naturalmente com a presença dos poderes de Estado, depois, com a presença do secretário de Segurança, coordenados pelos vários setores do governo federal", afirmou.