Temer cria órgão de proteção à mulher

Ministro da Justiça defendeu investimento em polícia para conter violência contra a mulher

Casos de violência doméstica deverão ser mapeados

Casos de violência doméstica deverão ser mapeados

Getty Images

Em reunião com secretários estaduais de Segurança Pública, na manhã desta terça-feira (31), o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, propôs mais investimento nas polícias para tratar casos de violência contra a mulher. Ele usou como exemplo um mapeamento que fez quando era secretário da Segurança Pública de São Paulo.

— [Fizemos] cruzamento [de dados] em relação ao ano de 2015, para alterar formas de policiamento de acompanhamento dos casos onde há medidas restritivas aos agressores. A não fiscalização acaba gerando o homicídio.

O presidente em exercício, Michel Temer, participou da reunião, em que foi anunciada a criação de um núcleo subordinado a ele que tratará da violência contra a mulher. 

Ele também defendeu que o governo federal disponibilize dinheiro aos Estados para que se crie uma espécie de hora extra aos policiais militares e civis. Nesse período, um grupo de policiais militares focaria, segundo ele, nas “manchas de violência doméstica e homicídio, por parte da prevenção”. Os policiais civis teriam diárias extras e seriam cobrados com metas para solucionar inquéritos envolvendo estupros, homicídios e outros casos de violência doméstica.

O ministro ainda falou em “alterações legislativas” na Lei de Execuções Penais e também para endurecer as punições em casos de divulgação de vídeos íntimos. Ele se referiu especificamente ao caso de estupro de uma jovem de 16 anos que está sendo investigado pela polícia do Rio de Janeiro.