João de Deus
Brasil Todas gavetas na casa de João de Deus têm fundos falsos, diz polícia

Todas gavetas na casa de João de Deus têm fundos falsos, diz polícia

Após depoimento, delegada destacou a semelhança entre a fala de Ana Keyla, mulher do médium, e quem acusa João de Deus de abuso sexual: 'Admiração'

joão de deus

João de Deus está preso em Goiânia desde o dia 16

João de Deus está preso em Goiânia desde o dia 16

Walterson Rosa/Folhapress – 16.12.2018

Logo após ouvir o depoimento da mulher de João de Deus, Ana Keyla Teixeira, a Polícia Civil de Goiás informou, nesta quarta-feira (26), que todas as gavetas da casa em que o médium João de Deus morava, em Abadiânia (a cerca de 100 km de Goiânia), possuem fundos falsos.

Durantes as buscas autorizadas pela Justiça, a polícia goiana encontrou R$ 1,2 milhão e pedras preciosas, além de armas e pistolas, em endereços ligados ao médium nos últimos dias.

De acordo com as investigações, as gavetas foram planejadas e faziam parte da construção da casa. Elas seguiam padrões similares e, por isso, de acordo com a polícia, quando uma fosse descoberta, as outras também seriam facilmente identificadas.

Segundo a polícia, Ana Keyla Teixeira, 40 anos, negou ter conhecimento dos fundos falsos e disse que não sabia da presença do dinheiro e armas apreendidas na residência dela.

"Apesar de [a mulher de João de Deus] negar veementemente ter conhecimento dos fatos, é quase impossível não mexer no guarda-roupas no seu quarto. Como você vai mexer e não vai mexer em uma gaveta? As armas e as munições estavam facilmente expostas. Os valores estavam em um saco plástico de mercado. É um ponto de contradição para as investigações”, disse a delegada Paula Meotti, que integra a força-tarefa da Polícia Civil que apura o caso.

Ana Keyla disse à polícia que, por causa da filha pequena, não deixaria que João de Deus ficasse com armas dentro de casa. As buscas e apreensões ocorreram no quarto do casal, onde foram encontradas grande quantidade de dinheiro e armas de fogo.

A mulher de João de Deus pode responder por posse de arma de fogo e lavagem de dinheiro se a polícia apurar que ela tinha conhecimento dos locais onde estavam os materiais apreendidos.

Semelhança com as vítimas

Ainda segundo a polícia, a mulher de João de Deus segue um perfil parecido com a das supostas vítimas do médium. Ela é 35 anos mais nova que ele e, no depoimento, teria dito que conheceu o médium quando tinha 10 anos, quando foi visitá-lo com a mãe. Desde a primeira vez que o viu, “o coração palpitou”, segundo a polícia. No entanto, eles estão juntos desde 2001, quando ela tinha 22 anos.

No depoimento, Ana Keyla disse que, até decidir morar com o médium, frequentava a casa esporadicamente e nunca ouviu nenhum relato de qualquer mulher sobre possíveis violências sexuais antes ou depois de se casar com ele.

A polícia diz que a mulher demonstra acreditar na inocência de João de Deus e o vê como muita "admiração", o que demonstraria que ele tem um poder de persuasão muito relevante sobre ela.

"O que a gente percebe e trouxe de relevante é a admiração que ela tem por ele, que o poder dele vem de Deus. [...] Ele tem um poder de persuasão sobre ela semelhante ao das outras frequentadoras da casa [centro em que João de Deus atendia em Abadiânia]", disse a delegada.

A Polícia Civil ainda avalia se a mulher será enquadrada no processo apenas como testemunha ou se será indiciada como coautora dos crimes.