Universal repudia supostos ataques contra angolanos no Brasil

Em todo o mundo, Igreja auxilia estrangeiros em dificuldade. No Brasil, desenvolve ações sociais para povos de vários países

Em todo o mundo, Igreja auxilia estrangeiros em dificuldade

Em todo o mundo, Igreja auxilia estrangeiros em dificuldade

Divulgação

A Igreja Universal do Reino de Deus afirmou nesta quinta-feira (3) que desconhece e repudia supostos ataques de xenofobia (sentimento de ódio sobre estrangeiros) contra angolanos no Brasil.

"Há pastores nascidos em Angola exercendo atividade missionária na Universal em nosso país, que podem atestar que foram bem recebidos e que são respeitados por todos", diz a nota da Universal.

"Além disso, vale destacar que a Igreja oferece ajuda humanitária a refugiados e imigrantes, no Brasil e em outros países do mundo, há muito tempo."

A Universal destaca que em território brasileiro, por exemplo, a igreja desenvolve ações sociais que já socorreram venezuelanos, haitianos, sírios, congoleses, somalis, nigerianos, entre outros povos que buscam, aqui, uma vida melhor.

"Durante a crise da pandemia da covid-19, em países onde existem os campos de refugiados, como no Chipre, na Turquia e Malásia, a Universal incrementou o auxílio aos estrangeiros que estão abandonados em alojamentos sem água, luz e sem comida", diz a nota.

"Assim, a especulação de que a Universal estaria, de alguma maneira, estimulando a xenofobia contra angolanos no Brasil, é uma mentira e uma grave ofensa a todo o trabalho humanitário desenvolvido em favor dos estrangeiros que passam por dificuldades, em nosso país e em outras nações."

"Há décadas, os bispos, pastores, fiéis e simpatizantes da Igreja Universal do Reino de Deus sofrem com a intolerância religiosa de segmentos da sociedade e com a discriminação de alguns governantes e da mídia contra os cristãos. Exatamente por esta razão, por ser a Universal a maior vítima de preconceito, este jamais virá da Universal."