Veja como foram os protestos no Rio, Brasília e interior de São Paulo

Aumento do fundo partidário, listas fechadas, corrupção e foro privilegiado estão no foco

Veja como foram os protestos no Rio, Brasília e interior de São Paulo

Protesto no Rio de Janeiro

Protesto no Rio de Janeiro

Alessandro Buzas/Futura Press/Futura Press/Estadão Conteúdo

As manifestações contra o aumento do fundo partidário, contra a proposta de listas fechadas nas eleições, contra a corrupção, pelo fim do foro privilegiado e de apoio às investigações da Lava Jato foram convocadas em 80 cidades brasileiras e na capital portuguesa, Lisboa para este domingo (26). Acompanhe os protestos do MBL (Movimento Brasil Livre) pelo Brasil:

Interior de São Paulo
As cidades paulistas levaram milhares de pessoas foram às ruas. Em Jundiaí, 700 pessoas, segundo a Polícia Militar se concentraram na Avenida 9 de Julho e seguiram em passeata em direção a um shopping. O grupo levava bandeiras do Brasil e muitos vestiam verde e amarelo. O Movimento Brasil Livre (MBL), organizador do protesto, estimou o público em 1,5 mil pessoas. Locutores do carro de som pediam também o fim dos super salários e do financiamento público das campanhas eleitorais.

A mesma pauta foi apresentada durante manifestação em Araçatuba, noroeste paulista, também organizada pelo MBL. O evento reuniu 200 pessoas, segundo a Polícia Militar, número confirmado pelos organizadores. "Queremos um Brasil livre da corrupção!", dizia a faixa estendida pelos manifestantes em Votuporanga, oeste paulista. O grupo com 500 pessoas, segundo a Polícia Militar - mesmo número estimado pela organização - se reuniu na Concha Acústica. Não houve incidentes.

Em São José do Rio Preto, a manifestação organizada pelo Movimento Cidadania Brasil (MCB) aconteceu em frente ao Mercadão Municipal. "Temos que impedir o esvaziamento da Lava Jato, pois seria prejudicial ao país, mas não adianta os processos chegarem ao Supremo (Tribunal Federal) e não andarem por causa do foro privilegiado", disse Manoel Torres, membro do MCB. A Polícia Militar calculou o público em 500 pessoas - os organizadores estimaram em mil.

Brasília
Apenas 630 pessoas compareçam neste domingo (26) à Esplanada dos Ministérios para a manifestação organizada pelo Movimento Vem Pra Rua. Foi um fiasco, se tomada por base a expectativa dos organizadores, que pediram à Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal um efetivo capaz de atender a 100 mil pessoas.

O volume de manifestantes era praticamente o mesmo do efetivo deslocado para fazer a segurança durante a manifestação. Cerca de 600 profissionais foram escalados para o evento, sendo a maior parte deles vinculada à segurança pública.

No carro de som, para os poucos se dispuseram a encarar o sol forte na Esplanada, os organizadores protestavam em defesa da Operação Lava Jato e criticavam a aprovação do novo projeto de terceirização. O fim do foro privilegiado de parlamentares e dos votos em lista fechada também eram lembrados aos gritos durante o protesto.

No gramando, envolta do "pixuleco", boneco usado para fazer referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um grupo de jovens preferiu se entreter com um jogo de "frisbee", lançando discos de plástico ao redor do boneco inflável. Muitos pedalavam pela Esplanada, passeio comum durante os fins de semana em Brasília.

Em frente ao Congresso, os manifestantes exibiram imagens de lápides de isopor com fotos de diversos políticos, entre eles o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e do presidente do Senado, Eunício Oliveira.

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal informou que a manifestação ocorreu de forma pacífica. Os dois sentidos do Eixo Monumental, onde ficam os ministérios, estiveram fechados para veículos entre 23h de sábado e 12h40 deste domingo.

A destinação de 600 agentes de segurança, segundo a Secretaria de Segurança Pública do DF, "foi definida de acordo com a estimativa de público dada pelos organizadores à SSP-DF (Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal), em torno de 100 mil pessoas".

Duas linhas de revistas pessoais foram feitas pela Polícia Militar - uma na altura da Catedral e outra no gramado em frente ao Congresso Nacional. Nenhum material ilícito ou inapropriado para o evento foi encontrado pelos policiais militares. "O procedimento geralmente é adotado em manifestações populares e grandes eventos para evitar a presença de objetos que possam oferecer riscos à integridade física dos próprios participantes e aos patrimônios públicos e particulares", declarou a SSP.

Rio de Janeiro
O protesto na capital carioca começou mais cedo do que na maioria das cidades, por volta das 11h, e durou cerca de duas horas. Organizado pelo MBL, a manifestação aconteceu na Avenida Atlântica, em Copacabana zona sul do Rio de Janeiro. Mais de 150 mil pessoas confirmaram presença no Facebook. A organização falou em expectativa de 20 mil a 30 mil participantes, mas a manhã de sol frustrou a organização.

A previsão era concentrar as 10h e prosseguir até 14h. Na prática, o protesto durou de 11h às 13h, quando foram encerradas as falas em cima dos carros de som. Policiais militares que faziam a segurança se negaram a estimar o tamanho da manifestação.

O MBL distribuiu cinco carros de som ao longo de cinco quadras da Avenida Atlântica. A maioria dos participantes se concentrou em torno dos carros de som, principalmente, em frente ao hotel Othon Palace. Entre um carro e outro era possível encontrar cariocas passeando pela orla, como acontece todos os domingos nas praias do Rio. Alguns deles vestiam roupas nas cores verde e amarela, demonstrando apoio ao movimento. E vários, camisas com imagem do rosto do deputado federal Jair Bolsonaro.

"Acabou o caô. Sérgio Moro chegou", "Congresso inimigo do Brasil. Moro, herói nacional" e "Fora Pezão. Fora PMDB" foram algumas das palavras de ordem ditas pelos organizadores, seguidas de aplausos. Teve também a bandeira verde amarela que percorreu as manifestações do MBL durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e pedidos de prisão do ex-presidente Lula, para que não seja candidato em 2018.

"Tivemos grande vitória com a saída. Mas o vírus esquerdopata está vivo", afirmou a empresária Elisa Sandronni, que também protestou contra a reforma da Previdência.