Vice da Câmara cobra fim da conivência com vândalos em Angola

Deputado federal Marcos Pereira (Republicanos-SP) pediu pelo fim da violência física contra pastores da Igreja Universal no país africano

Pereira quer fim de práticas violentas contra religiosos

Pereira quer fim de práticas violentas contra religiosos

Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados - 25.06.2020

O vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP), cobrou neste sábado (11) uma posição mais firme do governo e de autoridades angolanas com relação ao que chamou de ‘vândalos, que estão fazendo bárbaries’ contra pastores da Igreja Universal naquele país. O deputado federal disse que está em contato com o Itamaray e com as embaixadas para encerrar a conivência com práticas violentas por lá.

Desde pelo menos o final de junho, religiosos brasileiros que moram no país africano sofrem com agressões psicológicas e físicas e são impedidos de frequentar as igrejas. As ações foram lideradas por ex-integrantes, expulsos da instituição.

“Tenho acompanhado bastante de perto essa gravíssima situação que está acontecendo com a Igreja Universal do Reino de Deus em Angola e verificamos até em ações da polícia e do próprio Ministério Público angolano uma certa conivência com os vândalos, com aqueles que estão fazendo barbárie inclusive levando à violência física e agressão de pastores”, disse Pereira.

O deputado externou a preocupação do parlamento e do governo brasileiro com a vida dos compatriotas fora do país. Além disso, não há neste momento o princípio de reciprocidade do povo angolano.

“É necessário que o governo e as autoridades de Angola façam justiça. E não proteger aqueles que estão agindo de forma criminosa”, concluiu.

Mais cedo, a Comissão de Relações Exteriores do Senado disse planejar a ida de um comitiva a Angola para pressionar o governo local pelo fim da perseguição aos religiosos brasileiros. A proposta do senador Major Olimpio (PSL-SP) é usar uma aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira) para levar os parlamentares na viagem.