CPI da Covid

Brasil Vitamedic pagou anúncio a favor de tratamento precoce, confirma CEO

Vitamedic pagou anúncio a favor de tratamento precoce, confirma CEO

Jaílton Batista disse à CPI da Covid que manifesto era técnico e não defendia apenas a ivermectina, remédio fabricado pela empresa

  • Brasil | Do R7

CEO da Vitamedic, Jaílton Batista, chega à CPI

CEO da Vitamedic, Jaílton Batista, chega à CPI

Pedro França/Agência Senado - 11.08.2021

O CEO da farmacêutica Vitamedic, Jailton Batista, confirmou à CPI da Covid nesta quarta-feira (11) que a empresa financiou anúncios em jornais do país a favor do tratamento precoce para a covid-19.

O tratamento precoce, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro e por médicos do país, estimula o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para a doença causada pelo coronavírus. Entre os quais está a ivermectina, fabricada no Brasil também pela Vitamedic.

O pedido foi feito pela Associação Médicos pela Vida e a empresa prontamente aceitou custear as publicações em vários meios de comunicação do que chamou de "estudo técnico" dos profissionais de saúde. O custo total para a empresa foi de R$ 717 mil, contou Batista.

Um dos principais nomes por trás da Associação Médicos pela Vida é a médica Nise Yamaguchi, já ouvida na CPI da Covid. Em seu depoimento, ela afirmou que foi Bolsonaro quem a procurou primeiramente para falar de tratamento precoce

Ao ser questionado se achava ética a divulgação de um anúncio defendendo remédios sem eficácia e que beneficiaria diretamente a empresa, o executivo respondeu de forma vaga que a alta procura de remédios contra a covid justificava o anúncio.

"Antes dessa publicação, que aconteceu em 16 de fevereiro, a empresa já tinha registrado um manifesto em atendimento à forte demanda do mercado, independentemente da opinião dos médicos."

Ele também confirmou que a farmacêutica não financiou qualquer estudo para confirmar o efeito da ivermectina em doentes com covid. 

Em defesa da empresa, Jaílton Batista disse que a publicação não defendia apenas a ivermectina. 

"Esclareço que o manifesto não é exclusivo da Vitamedic. Não é a favor da ivermectina. É um estudo que trata de uma série de produtos", acrescentou.

A Vitamedic foi alvo de um requerimento de informações aprovado em junho pela comissão. De acordo com relatórios enviados à CPI, apenas as vendas da ivermectina saltaram de 24,6 milhões de comprimidos em 2019 para 297,5 milhões em 2020 — um crescimento superior a 1.105%. O preço médio da caixa com 500 comprimidos subiu de R$ 73,87 para R$ 240,90 — um incremento de 226%.

Últimas