Brasília Ato em Brasília tem discurso contra STF e 'ultimato' de Bolsonaro

Ato em Brasília tem discurso contra STF e 'ultimato' de Bolsonaro

O 7 de Setembro na capital teve manifestações a favor e contra o presidente, solenidade na Alvorada e duas prisões

  • Brasília | Lucas Nanini, Sarah Teófilo, Maurício Ferro e Renato Souza, do R7, em Brasília

Resumindo a Notícia

  • Grupo pró-governo criticou STF e pediu criminalização do comunismo e voto impresso na Esplanada
  • Contrários a Bolsonaro pediram impeachment do presidente na Torre de TV
  • Presidente classificou movimento como 'ultimato a todos que estão nos Três Poderes'
  • Segundo a SSP, duas pessoas foram presas com drogas; uma delas tinha quatro celulares

A manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, realizada nesta terça-feira (7), feriado da Independência, em Brasília, teve milhares de pessoas reunidas na Esplanada dos Ministérios em Brasília, tentativa de furo ao bloqueio policial e uma pessoa ferida. O grupo pró-governo criticou o Supremo Tribunal Federal (STF) e levou faixas contra o comunismo e a favor do voto impresso, O ato também teve discurso de Bolsonaro, que classificou o movimento como um “ultimato a todos que estão na Praça dos Três Poderes”.

O presidente criticou prisões de conservadores nos últimos dias e fez críticas aos ministros do STF, dizendo que o "Supremo Tribunal Federal perdeu as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal". "Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil. Ou o chefe desse Poder enquadra os seu sou esse Poder pode sofrer aquilo que não queremos, porque valorizamos e sabemos o valor de cada Poder da República. Nós todos aqui juramos respeitar a nossa constituição, quem age fora dela ou se enquadra ou pede pra sair", disse.

Presidente Bolsonaro durante discurso aos manifestantes no ato pelo 7 de Setembro

Presidente Bolsonaro durante discurso aos manifestantes no ato pelo 7 de Setembro

Reprodução

Bolsonaro também disse que se reunirá com o Conselho da República nesta quarta-feira (8) jutamente com os ministros e os presidentes da Câmara Federal, do Senado e do STF. O presidente disse que levará uma fotografia mostrando o apoio da população e que vai "mostrar para onde nós todos devemos ir".

"Cada um de nós deve se curvar à nossa Constituição. Temos essa obrigação. Se queremos a paz e harmonia, devemos nos curvar à constituição", completou o presidente. "Peço que me ouçam hoje às 16h na paulista, como chefe do executivo seria mais facil ficar em casa, mas como sempre disse: sempre estarei onde o povo estiver."

Ato na Esplanada

Manifestações a favor e contra Bolsonaro aconteceram em pontos diferentes do Eixo Monumental. O grupo pró-governo se reuniu na Esplanada dos Ministérios, os contrários se concentraram na Torre de TV.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF), duas pessoas foram presas na Esplanada. Em uma das ocorrências, os PMs detiveram um homem por portar drogas e quatro celulares. Ele foi conduzido à 5ª Delegacia de Polícia, na Asa Norte. Outro suspeito foi encaminhado ao Departamento de Polícia Especializada (DPE) por porte de drogas e de arma branca.

Os manifestantes a favor do presidente chegaram cedo à Esplanada dos Ministérios. Antes das 6h já havia apoiadores no gramado central e na via S1 do Eixo Monumental. Boa parte dos presentes não usava máscaras de proteção contra a propagação do coronavírus.

Manifestantes pró-Bolsonaro chegam à Esplanada dos Ministériose observam homem deitado no chão

Manifestantes pró-Bolsonaro chegam à Esplanada dos Ministériose observam homem deitado no chão

Sarah Teófilo/R7

Dezenas de caminhões e ônibus estavam no local. Os manifestantes também estenderam faixas ao longo do canteiro central e às margens das vias S1 e N1.

Milhares de pessoas foram ao ato vestidas de verde e amarelo e levando bandeiras do Brasil e outros símbolos nacionais. Houve quem levasse faixas de apoio ao presidente, defendendo o voto impresso e criticando o Supremo Tribunal Federal (STF).

Um princípio de tumulto ocorreu quando participantes do ato tentaram romper o bloqueio feito pela Polícia Militar nas proximidades do Palácio do Itamaraty, que impedia a chegada dos manifestantes às proximidades do STF. Houve explosões e uma mulher se feriu.

Questionado pelo R7 sobre a preocupação com a segurança nos protestos desta terça, o governador Ibaneis Rocha (MDB) respondeu: "Vamos enfrentar com serenidade"

Veículos oficiais da PM se posicionaram logo depois da Rodoviária do Plano Piloto para fazer a contenção de veículos. Só os carros da corporação passaram.

Manifestantes passam por revista da PM para participar de ato na Esplanada dos Ministérios

Manifestantes passam por revista da PM para participar de ato na Esplanada dos Ministérios

Sarah Teófilo/R7

Policiais revistaram mochilas e impediram o acesso de pessoas portando vidro, material em madeira e suportes plásticos de bandeiras. Apesar disso, algumas pessoas conseguiram passar. Um homem utilizando adereços do tipo passou sob alegação de que é policial comunitário em Santa Catarina. Também deixaram uma mulher passar com dois pedaços de pau.

Um manifestante foi pego com um saco de pedras na revista, na entrada da Esplanada dos Ministérios. Os próprios participantes avisaram sobre uma mulher que estava com o material. A pessoa descartou as pedras antes de entrar na área da manifestação.

Manifestantes se aglomeram em frente ao Congresso Nacional, em ato a favor do presidente Bolsonaro

Manifestantes se aglomeram em frente ao Congresso Nacional, em ato a favor do presidente Bolsonaro

Sarah Teófilo/R7

O trânsito no Eixo Monumental, no acesso à Esplanada dos Ministério, teve desvio pouco antes da Rodoviária do Plano Piloto. Os carros precisavam seguir para a via S2. Para se dirigir até a L4.

O acesso à via S2 seguiu fechada da Catedral de Brasília até a Procuradoria-Geral da República. Os ônibus tiveram acesso à via N1, do Eixo Monumental, bloqueado.

Contra Bolsonaro

A poucos quilômetros de distância da Esplanada, manifestantes contrários ao governo Bolsonaro se concentraram para pedir o impeachment do presidente. Vestindo blusas vermelhas, usando faixas, cartazes e bandeiras, o grupo permaneceu nas imediações da Torre de TV.

Manifestantes contrários ao presidente Bolsonaro se concentram próximo à Torre de TV, em Brasília

Manifestantes contrários ao presidente Bolsonaro se concentram próximo à Torre de TV, em Brasília

Renato Souza/R7

O ato teve grupos musicais usando tambores e um carro de som. Carros da Polícia Militar faziam a segurança no local e impediam que grupos contrários tivessem acesso.

Solenidade

Antes de se juntar aos apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro esteve em uma solenidade pelo 7 de Setembro nas proximidades do Palácio da Alvorada. A cerimônia contou com hasteamento da Bandeira Nacional e teve a presença de políticos e autoridades, como o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o líder do governo na Câmara, o deputado Ricardo Barros (PP-PR).

O presidente Jair Bolsonaro chega à cerimônia comemorativa pelo 7 de Setembro, no Palácio da Alvorada, em carro conduzido pelo ex-piloto de Fórmula 1 Nelson Piquet

O presidente Jair Bolsonaro chega à cerimônia comemorativa pelo 7 de Setembro, no Palácio da Alvorada, em carro conduzido pelo ex-piloto de Fórmula 1 Nelson Piquet

Marcelo Camargo/Agência Brasil - 07.09.2021

Bolsonaro chegou ao evento no Rolls Royce presidencial, que foi conduzido pelo ex-piloto de Fórmula 1 Nelson Piquet. A Esquadrilha da Fumaça também participou da programação.

Pouco antes da solenidade na Alvorada, Bolsonaro disse que o país “não pode continuar refém de uma ou duas pessoas, não interessa onde elas estejam”. A fala foi direcionada aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, que têm sido criticados frequentemente por Bolsonaro.

“Esta uma, ou duas pessoas, ou entram nos eixos ou serão simplesmente ignoradas da vida pública. Este é o meu trabalho. Vou continuar jogando dentro das quatro linhas, mas a partir de agora não admito que outras pessoas, uma ou duas, joguem fora das quatro linhas. A regra do jogo é uma só: respeito à nossa Constituição, liberdade de opinião e sempre tendo a nossa Constituição e a vontade popular acima de tudo”, disse o presidente.

Outras manifestações

No Twitter, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, comentou a data e criticou uma volta ao passado. Barroso faz referência ao voto impresso, uma das bandeiras dos manifestantes pró-governo nesta terça-feira. "Eleições livres, limpas e seguras. O amor ao Brasil e à democracia nos une", afirmou.

“Brasil, uma paixão. Brancos, negros e indígenas. Civis e militares. Liberais, conservadores e progressistas. Desde 88, a vontade do povo: Collor, FHC, Lula, Dilma e Bolsonaro. Eleições livres, limpas e seguras. O amor ao Brasil e à democracia nos une. Sem volta ao passado”, postou Barroso.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também usou o Twitt para defender o estado democrático de direito. "Ao tempo em que se celebra o Dia da Independência, expressão forte da liberdade nacional, não deixemos de compreender a nossa mais evidente dependência de algo que deve unir o Brasil: a absoluta defesa do Estado Democrático de Direito."

Reprodução do tuíte do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG)

Reprodução do tuíte do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG)

Reprodução

Últimas