STF

Brasília Bolsonaro critica ministros e defende renovação do STF

Bolsonaro critica ministros e defende renovação do STF

Em agenda na Bahia, presidente disse, sem citar nomes, que "essas uma ou duas pessoas têm que entender o seu lugar"

  • Brasília | Thaís Rodrigues e Kelly Almeida, do R7, em Brasília

Em Tanhaçu, na Bahia, Bolsonaro disse que as ruas darão uma resposta no próximo dia 7

Em Tanhaçu, na Bahia, Bolsonaro disse que as ruas darão uma resposta no próximo dia 7

Ricardo Moraes/Reuters

Às vésperas do feriado da Independência, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a incentivar a ida da população às ruas e, mais uma vez, aproveitou a agenda pública para criticar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Sem citar nomes, disse que "não podemos admitir que essas uma ou duas pessoas, na força do Poder, queiram dar outro rumo para o país". As declarações foram dadas na manhã desta sexta-feira (3/9), em Tanhaçu, na Bahia, onde visita as obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste.

Bolsonaro lembrou que já indicou ministros ao STF e que o presidente que assumir o Brasil em 2023 terá mais duas indicações. "O Supremo começa a ser renovado. Essas uma ou duas pessoas têm que entender o seu lugar. E o recado de vocês, povo brasileiro, nas ruas, na próxima terça-feira, será um ultimato para essas uma ou duas pessoas", disse.

Mais uma vez, sem fazer citações diretas aos ministros do Supremo, disparou: "curvem-se à Constituição, respeitem a nossa liberdade, e entendam que vocês dois estão no caminho errado, porque sempre dá tempo para se redimir". Os dois ministros que Bolsonaro tem uma relação mais conflituosa são Luís Roberto Barroso, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e Alexandre de Moraes, alvo de um pedido de impeachment apresentado por Bolsonaro no Senado. O pedido, no entanto, foi rejeitado pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Ainda remetendo às manifestações marcadas para o feriado, Bolsonaro destacou que as ruas darão um recado. "Após o 7 de setembro, com essa demonstração de patriotismo, aqueles que ousam nos desafiar saberão voltar para o seu lugar. Quem dá esse ultimato não sou eu, mas o povo brasileiro."

Últimas