Brasília Bolsonaro na ONU: senadores e deputados repercutem

Bolsonaro na ONU: senadores e deputados repercutem

Vice-presidente, Hamilton Mourão, driblou jornalistas que o aguardavam no Planalto

  • Brasília | Isabella Macedo e Maurício Ferro, do R7 em Brasília

Bolsonaro fez uma defesa de tratamento precoce contra a covid-19 que é cientificamente ineficaz

Bolsonaro fez uma defesa de tratamento precoce contra a covid-19 que é cientificamente ineficaz

Timothy Clary/Pool via AFP - 21.09.2021

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) repercutiu em Brasília. O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM) criticou a defesa de Bolsonaro do tratamento precoce contra a covid-19. Cientificamente, não há formas comprovadas de tratar a doença precocemente.

“Como diriam pessoas que conheço, que têm muita fé, só Deus para mudar a cabeça de um ser humano que ainda fala em tratamento precoce”, disse Aziz.

Entre os apoiadores do governo, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) disse que Bolsonaro é o "orgulho do Brasil".

Relator da CPI, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou que o discurso foi “lamentavelmente pífio”. Criticou ainda a declaração de Bolsonaro sobre, segundo ele, não haver corrupção em seu governo.

“Discurso lamentavelmente pífio do presidente na Assembleia mostra a política do cercadinho. […] Bolsonaro repetiu seu papel de figura rudimentar. […] O seu discurso foi uma mentira só, do início ao fim. A corrupção por ele negada na ONU foi comprovada por diversas vezes nesta CPI”, disse Renan.

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), ao retornar para o Palácio do Planalto, sede do poder Executivo, após um compromisso externo, não entrou pela porta da frente, onde jornalistas o aguardavam. Portanto, não foi possível repercutir o discurso presidencial.

A deputada Bia Kiciss (PSL-DF) postou o vídeo de um discurso da ex-presidente Dilma Rousseff na ONU e disse que "isso era passar vergonha na ONU".

Já o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que ocupa o cargo de coordenador da temática de vacina e enfrentamento à covid-19 no Fórum dos Governadores, disse que governadores e prefeitos seguiram a ciência e queriam do presidente da República “o pacto pela vida”.

No entanto, segundo Dias, Bolsonaro foi à ONU “para colocar a responsabilidade pela situação social e econômica resultado da pandemia” em quem “aqui trabalhou para salvar vidas”.

“Assim, repudiamos firmemente essa posição. E queremos dizer da importância do brasil criar juízo e a união de todas as autoridades pensando no povo em primeiro lugar”, afirmou.

O perfil oficial do PSDB, partido que anunciou oposição ao governo federal após as manifestações do 7 de Setembro, comparou no Twitter uma afirmação de Bolsonaro durante o discurso com outras declarações dele no Brasil:

O deputado Bibo Nunes (PSL-RS) chamou os manifestantes que protestaram contra a chegada do presidente Bolsonaro em Nova York de "urubus":

Últimas