Brasília Bolsonaro volta a defender reajuste salarial para policiais

Bolsonaro volta a defender reajuste salarial para policiais

Mandatário disse, nesta segunda-feira (21), que PRF merece ser incluída no rol do reconhecimento

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Polícia Rodoviária Federal

Polícia Rodoviária Federal

PRF/Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender, nesta segunda-feira (21), o reajuste salarial para servidores da área de segurança pública. Ele ainda pediu compreensão às demais categorias.

“Nós temos que valorizar esses profissionais. Eu espero que a sociedade entenda que isso deva ser feito. Vivemos um momento difícil com a pandemia, lamentamos todas as mortes, mas também sofremos um baque na economia. E algumas categorias, ou melhor, todas as categorias merecem ser valorizadas”, afirmou Bolsonaro.

“O que nós procuramos fazer é que quem a gente puder salvar na frente a gente salva e espera por compreensão das demais categorias dos demais servidores do país. O que nós queremos é reconhecer o trabalho de todos, e a nossa PRF [Polícia Rodoviária Federal] está incluída nesse rol que merece esse reconhecimento”, completou.

As declarações ocorreram durante evento realizado no Palácio do Planalto. Bolsonaro convocou os 27 dirigentes das superintendências da PRF para o palco e deu as declarações, que foram comemoradas pelos agentes. Antes disso, o mandatário citou dados e números resultantes de operações feitas pelo órgão.

No fim do ano passado, o governo reservou cerca de R$ 1,7 bilhão para contemplar reajuste salarial de policiais federais, policiais rodoviários federais e agentes penitenciários, categorias que fazem parte da base eleitoral do mandatário. O movimento, no entanto, causou insatisfação generalizada a servidores de outras categorias.

Bolsonaro havia informado que iria se decidir ou não pelo aumento de salário dos policiais até o mês de março. O chefe do Executivo também disse que o reajuste poderia ficar para 2023, caso as demais categorias que também reivindicam o aumento não abrissem mão do pleito.

O governo federal lançou, nesta segunda-feira (21), plataformas digitais para aprimorar as políticas públicas de direitos humanos. São elas o Sistema Integrado Nacional de Direitos Humanos, o Portal das Organizações da Sociedade Civil e a Escola Federativa.

O objetivo, de acordo com a Secretaria de Governo da Presidência da República, é unificar as informações sobre as políticas públicas de direitos humanos — o usuário pode conhecer, participar e acessar as políticas da área, além de solicitar adesão ou inscrição nas iniciativas.

As ações foram desenvolvidas por meio dos portais das OSC (Organizações da Sociedade Civil) e da Escola Federativa. O primeiro centraliza a oferta de informações relevantes para as organizações, como chamamento público. O segundo, por sua vez, é uma estrutura que agrega conteúdos para a capacitação de servidores públicos e agentes municipais. Por isso, foi assinado, durante evento no Palácio do Planalto, um acordo de cooperação técnica entre os órgãos.

Últimas