Emprego

Brasília Desemprego recua para 11,1% no 4º trimestre de 2021 e média anual é de 13,2%, indica IBGE

Desemprego recua para 11,1% no 4º trimestre de 2021 e média anual é de 13,2%, indica IBGE

Taxa média do ano é equivalente a 13,9 milhões de pessoas sem ocupação, de acordo com a Pnad Contínua

  • Brasília | Lucas Nanini, do R7, em Brasília

Taxa média de desemprego em 2021 foi de 13,2%, o equivalente a 13,9 milhões de pessoas

Taxa média de desemprego em 2021 foi de 13,2%, o equivalente a 13,9 milhões de pessoas

Edu Garcia/R7 - 23.02.2022

A taxa de desemprego no Brasil caiu de 12,6% para 11,1% no quarto trimestre de 2021, aponta a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), do IBGE, divulgada nesta quinta-feira (24). O levantamento mostra que a taxa média de desocupação no ano foi de 13,2%, o que equivale a 13,9 milhões de desempregados no país. O número indica relativa estabilidade em relação aos 13,8% de 2020.

O recuo de 1,5 ponto percentual no trimestre indica que há 12 milhões de pessoas em busca de trabalho – queda de 10,7%, ou 1,4 milhão de pessoas, na comparação com o trimestre encerrado em setembro. Em relação ao mesmo período de 2020, a redução foi de 16,7% (2,4 milhões de pessoas a menos). A pesquisa demonstra que o país não atingiu o patamar de antes da pandemia. Em 2019, a média anual de desempregados foi de 12%, segundo o IBGE.

A taxa de desocupação de 2021 é a segunda maior da série histórica, iniciada em 2012. Segundo a coordenadora de trabalho e rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, os dados refletem a situação do mercado de trabalho em um momento em que a ocupação voltou a crescer após um ano de perdas.

“Muitas pessoas ao longo dos dois anos perderam suas ocupações e várias delas interromperam a busca por trabalho no início de 2020 por causa da pandemia. Depois houve uma retomada dessa busca, ainda que o panorama econômico estivesse bastante desfavorável, ou seja, não havia uma resposta elevada na geração de ocupação. Em 2021, com o avanço da vacinação e a melhora no cenário, houve crescimento do número de trabalhadores, mas ainda persiste um elevado contingente de pessoas em busca de ocupação”, diz ela.

Segundo Adriana, parte da alta da ocupação no quarto trimestre veio do emprego formal no setor privado. O número de empregados com carteira de trabalho assinada cresceu 2,9% em comparação com o período anterior. Isso representa 987 mil pessoas a mais. O mercado informal teve aumento de 6,4% (753 mil pessoas a mais).

Número de empregados no comércio teve alta de 3,4% no quarto trimestre

Número de empregados no comércio teve alta de 3,4% no quarto trimestre

Edu Garcia/R7

O comércio empregou mais 602 mil pessoas, um aumento de 3,4%. Os outros serviços apresentaram alta de 11,8%, ou 521 mil pessoas a mais, e o setor de informação e comunicação cresceu 3,3% (mais 367 mil). A indústria fechou o trimestre com estabilidade, encerrando o período com 12,4 milhões de empregados.

O número de trabalhadores por conta própria, com ou sem CNPJ, cresceu 1,9% no quarto trimestre. Isso significa que 483 mil pessoas começaram a atuar sem vínculo com empresas. Entre os trabalhadores domésticos, a alta foi de 341 mil (6,4%).

Em 2021, com o avanço da vacinação e a melhora no cenário, houve crescimento do número de trabalhadores, mas ainda persiste um elevado contingente de pessoas em busca de ocupação

Adriana Beringuy, coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE

Força de trabalho

O levantamento mostra que a força de trabalho, quando ocorre a soma dos ocupados e desocupados (número de aptos a trabalhar), aumentou 4,3% em 2021 na comparação com o ano anterior. Houve crescimento de 5% na ocupação (4,3 milhões de pessoas). No total, o Brasil fechou 2021 com estimativa de 91,3 milhões de empregados.

O crescimento foi registrado em diversas atividades econômicas. A pesquisa revela que o maior crescimento proporcional veio da construção. Houve uma alta de 13,8%, ou 845 mil pessoas a mais trabalhando no setor.

Mercado informal teve aumento de 6,4% no quarto trimestre de 2021

Mercado informal teve aumento de 6,4% no quarto trimestre de 2021

Edu Garcia/R7 - 15.02.2022

O comércio teve aumento de 5,4% em relação a 2020 – 881 mil pessoas a mais empregadas. O segmento foi um dos mais afetados pela pandemia, por isso o desempenho positivo de 2021 não representou uma recuperação em comparação com 2019, quando o setor empregou 18,1 milhões de pessoas.

Na indústria, o crescimento foi de 3,9%, ou mais 446 mil pessoas trabalhando. Em comparação com 2019, o número foi 3,1% menor. No setor de serviços, o subsegmento “serviços domésticos” apresentou a maior alta percentual, com mais 327 mil pessoas ocupadas (6,7%). Em “alojamento e alimentação”, o aumento foi de 5,4%, ou 238 mil pessoas.

A Pnad contínua é a pesquisa utilizada para monitorar a força de trabalho no país. O levantamento é realizado a cada trimestre em 211 mil domicílios. Segundo o IBGE, são 2 mil entrevistadores nas 27 unidades da federação, integrados à rede de coleta de 500 agências do instituto.

Informalidade

A Pnad mostra que o aumento na taxa de ocupação foi visto também no mercado informal de trabalho. O Brasil fechou 2021 com 36,6 milhões de pessoas nessa condição, aumento de 9,9% em relação a 2020. Com isso, a taxa de informalidade cresceu de 38,3% para 40,1% no período. No setor privado, o percentual de empregados sem carteira assinada subiu 11,1%, alcançando 11,2 milhões de pessoas.

“O crescimento da informalidade nos mostra a forma de recuperação da ocupação no país, baseada principalmente no trabalho por conta própria. Tanto no segundo semestre de 2020 quanto no decorrer de 2021, a população informal foi a que mais avançou”, afirma a coordenadora Adriana Beringuy.

No mercado formal, a alta foi de 2,6% no setor privado, chegando a 32,9 milhões de pessoas. Com a pandemia, o número de pessoas com carteira assinada havia caído 6,9% em 2020.

Segundo Adriana, o primeiro ano da pandemia foi marcado pelo fechamento de muitas empresas e pela demissão de muitos funcionários. “E há mais dificuldade em recuperar esse tipo de vínculo de trabalho do que o informal.” Ela diz que houve crescimento do número de trabalhadores por conta própria com CNPJ em 2020, recorde na série histórica da pesquisa, iniciada em 2016 para esse indicador. A soma dos trabalhadores por conta própria (com e sem CNPJ) chegou a 24,9 milhões.

Últimas