CPI da Covid

Brasília Em vídeo, diretor da Prevent diz: 'pessoas precisam se contaminar'

Em vídeo, diretor da Prevent diz: 'pessoas precisam se contaminar'

Segundos antes ele havia dito que jamais defendeu a 'imunidade de rebanho natural', refutada pela comunidade científica

  • Brasília | Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

Diretor da operadora de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, na CPI da Covid

Diretor da operadora de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, na CPI da Covid

Jefferson Rudy/Agência Senado - 22.09.2021

O diretor-executivo da operadora de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, se contradisse durante depoimento nesta quarta-feira (22) à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. Segundos depois de dizer que nunca defendeu a chamada 'imunidade de rebanho natural', o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) mostrou um vídeo feito em junho do ano passado no qual o médico disse que "as pessoas precisam se contaminar" com a Covid-19.

A imunidade de rebanho é a tese de que quanto mais pessoas se contaminarem com a Covid-19, melhor, porque haveria o desenvolvimento de uma imunidade natural. A questão é refutada pela ciência, por deixar um grande número de mortes, além do fato de uma pessoa poder se contaminar com o vírus e desenvolver a doença mais de uma vez.

"O senhor, em algum momento, defendeu a imunidade de rebanho?", questionou Randolfe. Ao que Benedito Batista respondeu: "De modo algum. A imunidade de rebanho poderia acontecer, mas nós não sabemos quando ela pode acontecer e se aconteceria. O que sabemos é que pode ter uma evolução natural da doença. Mas o que se mostrou no avanço natural da doença é que ela se mantinha grave com ondas claras de gravidade".


No vídeo, entretanto, do dia 2 de junho do ano passado, ele disse: "Se essa quinta-feira vier realmente com nível de óbito menor que apareceu no país e continuarmos aí com aumento do número de casos, a gente tem um bom indício, porque estão tendo mais pessoas contaminadas. Isso é bom, isso não pode ter uma conotação negativa, porque se a gente está falando que a população precisa ficar imunizada, as pessoas precisam se contaminar. E quem tá contaminado e teve poucos sintomas e já está bem, significa que está imunizado neste momento".

Questionado novamente, o médico justificou que havia apenas três meses de pandemia naquela ocasião, e que posteriormente não mais defendeu a ideia defendida no vídeo.

Isso é bom, isso não pode ter uma conotação negativa, porque se a gente está falando que a população precisa ficar imunizada, as pessoas precisam se contaminar. E quem tá contaminado e teve poucos sintomas e já está bem, significa que está imunizado neste momento

PEDRO BENEDITO BATISTA JÚNIOR, DIRETOR-EXECUTIVO DA PREVENT SENIOR

Mais cedo, em seu depoimento, o diretor-executivo acusou ex-funcionários de furtar e adulterar dados de pacientes da operadora para "fabricar" denúncias contra a empresa. A empresa é alvo de uma denúncia encaminhada à CPI por médicos que trabalharam na operadora durante o período mais agudo da pandemia. Segundo uma das acusações levadas pelos profissionais à comissão, a rede teria limitado o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) no atendimento dos clientes, chegando a proibir o uso de máscaras em algumas situações.

A denúncia foi enviada à CPI em 24 de setembro por uma advogada do grupo de 12 médicos. O R7 teve acesso a uma análise do documento, que aponta ainda que o protocolo de testes adotado pela Prevent Senior teria sido acordado com assessores do governo federal. Conforme denunciado, a pesquisa supostamente pactuada entre o governo e a Prevent precisaria comprovar a eficácia de cloroquina e azitromicina no tratamento da covid.

Últimas