Brasília Escola em Planaltina tem dois casos de Covid e 13 suspeitas

Escola em Planaltina tem dois casos de Covid e 13 suspeitas

O Centro de Ensino Médio 1 teve as aulas suspensas. Professores se queixam de falta de informação quanto a contaminados

  • Brasília | Luiz Calcagno, do R7, em Brasília

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Professores de escolas públicas denunciaram mais um surto de covid-19 em unidades educacionais do Distrito Federal. Dessa vez, os funcionários falam em dois casos confirmados e seis suspeitas no corpo docente do Centro de Ensino Médio (CEM) 1 de Planaltina. Em uma mensagem que circula entre os profissionais, o que se diz é que outros sete estudantes também estariam com suspeita, totalizando 15 pessoas. O Distrito Federal vive uma alta no número de contaminações da variante Delta, mais agressiva, que já predomina no grupo de infectados. A taxa de transmissão da doença está em 1,7, número que indica risco de o vírus estar fora de controle.

Após os casos, a direção do CEM 1 suspendeu as aulas presenciais, retomadas após uma circular da Secretaria de Educação do DF de 3 de setembro. O documento informa que “somente os profissionais da educação com comorbidades que não tenham recebido a 2ª dose da vacina contra a Covid-19 poderão permanecer no atendimento remoto até completar 15 dias da aplicação da vacina, devendo fazer a comunicação oficial à respectiva equipe gestora, com a devida comprovação”.

Na última quarta-feira (15), a professora Luiza Oliveira fez uma postagem denunciando um provavel surto no Centro Educacional Stella dos Cherubins Trois, também em Planaltina. Um dos professores da unidade, Joseli Gomes, morreu após contrair o vírus. Na postagem, ela afirma, dentre outras coisas, que “o monitoramento da Secretaria de Saúde e de Educação desses casos é ineficaz”. Segundo ela, os professores não tomam conhecimento de “onde estão os casos suspeitos, se testaram, qual o resultado do teste, e muito menos se avisa os contatos próximos com a celeridade necessária (quando se avisa)”.

No caso do CEM 1, um dos profissionais contaminados, que pediu para não ser identificado, também reclamou da falta de informação sobre os casos. “Todo mundo sabe como funciona o vírus e que a gente precisa se proteger. Mas não tem sido dada publicidade aos casos. Quem tem contato com pessoas testadas positivas não está sendo isolado. Professores que tiveram contato comigo, turmas, não pararam imediatamente. E a gente fala com outros professores. Isso acontece em todas as escolas”, queixou-se. O entrevistado disse estar imunizado. Pegou covid pela segunda vez e está com sintomas leves. “O perigo é que a gente continua contaminando”, disse.

Briga na Justiça

O Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF) entrou na Justiça contra a circular que determinou o retorno às atividades presenciais mesmo sem a segunda dose da vacina. O argumento é que já havia uma negociação para que o retorno só acontecesse 15 dias após a segunda dose de todos os profissionais de educação da rede pública.

O juiz indeferiu o pedido de liminar que tentava sustar a determinação do Governo do DF, mas pediu que a Secretaria de Educação se manifeste sobre o pedido. O prazo do governo começou a contar a partir de 14 de setembro e termina na próxima semana.

Sobre o Centro Educacional Stella dos Cherubins Trois, a Secretaria de Educação disse, em 15 de setembro, lamentar a morte do professor, informou que ele não se contaminou na unidade e, diferente dos professores, disse não haver surto no local. No caso do CEM 1, a pasta informou que a unidade foi fechada para higienização e desinfecção. “As aulas seguem de forma remota. Foram registrados dois casos confirmados de covid-19 no local. Até o momento, de acordo com a Secretaria de Saúde, não há surto”, informa o texto.

“O caso vem sendo monitorado pela Secretaria de Educação em apoio à Secretaria de Saúde para que as medidas necessárias continuem a ser tomadas. As escolas da rede pública seguem os protocolos de biossegurança e são um ambiente seguro para o processo de ensino e aprendizagem”, encerra a nota.

Últimas