Brasília Estudante estrangulada por namorado na Paraíba é homenageada por colegas

Estudante estrangulada por namorado na Paraíba é homenageada por colegas

Mariana Tomaz, 25 anos, era prima do ex-senador Eunício Oliveira; ela foi estrangulada e morta dentro de casa, em João Pessoa

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

Mariana Tomaz, de 25 anos, era estudante de medicina

Mariana Tomaz, de 25 anos, era estudante de medicina

Redes sociais/Reprodução

Colegas da estudante de medicina Mariana Oliveira, estrangulada e morta dentro do apartamento onde morava, em João Pessoa (PB), se reúnem nesta terça-feira (15) para homenagear a jovem. Mariana tinha 25 anos e foi assassinada no último sábado (12). O principal suspeito do crime é o namorado, que está preso.

Uma foto da jovem foi exposta na faculdade para que os colegas depositem as homenagens. "Hoje nos reportamos a comunidade acadêmica com muita tristeza pela perda criminosa de uma colega de curso. Em nós há o sentimento de buscar Justiça e ao mesmo tempo de dor pela partida tão precoce de Mariana", diz um post no Instagram da Faculdade de Medicina Nova Esperança, onde a jovem estudava.

Leia também: Prima de ex-presidente do Senado é estrangulada e morta dentro de casa

Nas redes sociais, familiares e amigos também cobraram por justiça divulgando a hastag #JustiçaPorMariana. Ela é prima do ex-senador Eunício Oliveira, que definiu o crime como "machismo abjeto e inaceitável". "Mariana era apaixonada pela medicina, sonhava em exercer sua vocação de cuidar das pessoas através da profissão que escolheu. Uma jovem que teve seu futuro promissor interrompido de maneira tão abrupta", lamentou. O corpo de Mariana foi enterrado no Ceará.

Feminicídio

O corpo de Mariana foi encontrado com sinais de estrangulamento em um apartamento, na orla do Cabo Branco, em João Pessoa, no último sábado (12). Segundo a Polícia Civil, Johannes Dudeck, o namorado de Mariana, acionou o socorro alegando que a jovem estava tendo convulsões.

No entanto, Dudeck disse que não ia cooperar com a polícia fornecendo material genético para a investigação. Ele foi preso em flagrante ainda no sábado. No domingo, passou pela audiência de custódia e a prisão foi convertida em preventiva.

A polícia ainda informou que o suspeito já tem outras acusações pela Lei Maria da Penha por agredir mulheres diferentes. "Some-se a isso o histórico de comportamento extremamente ciumento e perseguidor que possui, o que é evidenciado pelas várias representações feitas por vítimas (ex-namoradas) na delegacia especializada", relatou o juiz.

Últimas