Brasília 'Eu não pedi demissão', diz ministro Paulo Guedes

'Eu não pedi demissão', diz ministro Paulo Guedes

Ministro afirmou ainda que não houve insinuação por parte do presidente Bolsonaro para que ele deixasse o cargo

  • Brasília | Sarah Teófilo e Bruna Lima, do R7, em Brasília


O ministro da Economia, Paulo Guedes, negou, nesta sexta-feira (22), ter pedido demissão do cargo. A informação repercutiu depois que quatro secretários decidiram se demitir após o anúncio de que o governo vai furar o teto de gastos em 2022. "Eu não pedi demissão. E em nenhum momento o presidente insinuou qualquer coisa semelhante", afirmou Guedes.

Após as especulações sobre a saída do ministro, o presidente Jair Bolsonaro foi ao Ministério da Economia para se reunir com Guedes e participou de uma entrevista coletiva ao lado dele. A informação de fontes do palácio e do ministério é que a ida do presidente ao prédio da Pasta foi para sinalizar apoio ao chefe da Economia.

Conforme membros da ala governista e auxiliares próximos a Guedes, na última conversa que teve com Bolsonaro o economista manifestou interesse em deixar o cargo, mas o presidente não interpretou o desejo como um pedido de demissão. Oficialmente, não houve uma carta entregue ao mandatário, que, mesmo avaliando a perda de controle de Guedes sobre a equipe econômica, não abre mão do ministro.

Segundo o R7 apurou, Guedes seguiu a recomendação dos auxiliares de tentar uma saída amena do cargo, com o consenso de Bolsonaro, mas acabou convencido a ficar. O economista tem sido constantemente criticado pelo mercado financeiro devido a decisões de cunho social. A avaliação é que o ministro não consegue cumprir as promessas de promover reformas e privatizações.

Pôr em risco a responsabilidade fiscal continuou sendo um calo para Guedes, embora o ministro tivesse concordado com a estratégia de furar o teto para bancar a expansão do Bolsa Família. Ainda assim, ele tem ajustado o discurso, defendendo a ideia de que o governo precisa investir nas estratégias sociais para auxiliar famílias em situação de vulnerabilidade.

Últimas