Fachin diz que 100 entidades internacionais podem observar as eleições

Presidente do TSE anunciou que será formada rede para trazer ao Brasil representantes da União Europeia para acompanhar votação

  • Brasília | Renato Souza, do R7, em Brasília

audima
Presidente do TSE, Edson Fachin
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 15.11.2020

O ministro Edson Fachin, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou que mais de 100 entidades devem acompanhar as eleições deste ano como observadores internacionais. A decisão de convidar grupos do exterior ocorre em meio aos questionamentos da segurança do pleito realizados pelo presidente Jair Bolsonaro e as Forças Armadas.

O magistrado afirmou ainda que será criada uma rede para garantir que observadores da União Europeia venham ao Brasil para acompanhar a votação, em outubro deste ano. O objetivo, de acordo com Fachin, é garantir a presença não só de observadores, mas também de autoridades destes países que quiserem acompanhar o pleito.

O TSE convidou a Organização dos Estados Americanos (OEA), o Parlamento do Mercosul, Rede Eleitoral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Centro Carter, Rede Mundial de Justiça Eleitoral, União Interamericana de Organismos Eleitorais (UNIORE) e a Fundação Internacional para Sistemas Eleitorais (IFES) para acompanhar as eleições. 

Desde o ano passado, o presidente Jair Bolsonaro elevou as críticas ao sistema eleitoral e chegou a alegar que as urnas eletrônicas foram fraudadas. Em fevereiro deste ano, o TSE respondeu, em 69 páginas, questionamentos das Forças Armadas sobre o sistema eleitoral. A Corte informou que a urna eletrônica e o sistema de totalização dos votos seguem rigorosos padrões de segurança e os testes públicos ressaltam a impossibilidade de se burlar o resultado da eleição.

Ir para versão mobile