STF

Brasília Fux responde a fala de Bolsonaro, e Conselho de Governo vai se reunir

Fux responde a fala de Bolsonaro, e Conselho de Governo vai se reunir

Presidente do STF vai se posicionar sobre críticas no 7 de Setembro do chefe do Executivo. Cúpula do governo também se encontrará

  • Brasília | Emerson Fraga e Luiz Calcagno, do R7, em Brasília

Apoiadores de Bolsonaro (sem partido) na avenida Paulista pedem fechamento do STF

Apoiadores de Bolsonaro (sem partido) na avenida Paulista pedem fechamento do STF

Adriana Spaca/Estadão Conteúdo - 07.09.21

O resultado dos atos do 7 de Setembro estará em pauta tanto no Executivo quanto no Judiciário nesta quarta-feira (8). Jair Bolsonaro (sem partido), que convocou os atos e fez diversas críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal) em discursos na Esplanada dos Ministérios e na avenida Paulista, se reunirá com o primeiro escalão e convidados do governo federal pela manhã. Já o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, se manifestará sobre o assunto no início da plenária com os demais membros da Suprema Corte.

A expectativa é que Fux e os demais magistrados se posicionem sobre as declarações do presidente nos atos em que ele participou. Em Brasília, Bolsonaro mencionou o Supremo e fez ataques ao ministro Alexandre de Moraes sem citar nomes. Já em São Paulo, foi direto sobre o que pensa sobre o ministro, que é relator do inquérito das fake news, e chegou a chamá-lo de “canalha”.

“Não vamos mais admitir pessoas como Alexandre de Moraes continuem a açoitar a nossa democracia e desrespeitar a nossa Constituição. Ele teve todas as oportunidades para agir com respeito para todos nós, mas não agiu dessa maneira como continua não agindo", disse. "Ou o ministro se enquadra ou ele pede para sair”, complementou.

Bolsonaro também afirmou que convocaria o Conselho da República, órgão que aconselha o presidente em casos de crise, principalmente quanto a decretar intervenções federais como ou estado de defesa ou de sítio. Entre os membros do conselho estão o vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e os líderes da maioria e da minoria das respectivas casas. Nenhum deles, no entanto, havia sido avisado sobre a agenda.

Depois, o Palácio do Planalto informou aos componentes do grupo que não haveria reunião do Conselho da República. A reunião seria a do Conselho de Governo, que reúne o presidente, o vice-presidente, ministros e convidados para debater temas importantes. No caso, as manifestações. O último encontro do grupo aconteceu em 19 de novembro de 2020.

Na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, onde discursou primeiro, Bolsonaro disse que os atos do 7 de Setembro são um ultimato para todos os que ocupam posições na Praça dos Três Poderes, “inclusive eu, o presidente da República”. Parte da cruzada de Bolsonaro contra o STF é para defender conservadores presos por determinação de Moraes. O chefe do Executivo afirmou que o ministro do Supremo perdeu “as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal”.

Últimas