Brasília Governo cria medida para proteger denunciantes de irregularidades

Governo cria medida para proteger denunciantes de irregularidades

Norma visa evitar retaliações contra quem denuncia ilegalidades na administração pública e cria mecanismos para reparar danos

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Presidente Bolsonaro, que editou decreto para proteger denunciantes de irregularidades

Presidente Bolsonaro, que editou decreto para proteger denunciantes de irregularidades

Adriano Machado/Reuters - 24.11.2021

O governo federal publicou nesta sexta-feira (10) no DOU (Diário Oficial da União) o decreto nº 10.890/2021, que dispõe sobre a proteção aos denunciantes de atos ilícitos e de irregularidades praticadas contra a administração pública.

O normativo busca ampliar os meios para a garantia da segurança e da confiança àqueles que apontarem ilegalidades, como forma de combate à corrupção. Com o novo decreto, passam a existir a proteção contra retaliações e mecanismos de reparação de danos.

Nesta quinta-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro editou um decreto para aprimorar a proteção ao servidor que denunciar irregularidades. Foram tomadas medidas por meio de alterações nos decretos nº 9.492/18 e 10.153/19.

Entre as mudanças, está a inclusão de todas as estatais no âmbito de aplicação do documento e maior poder para que a CGU (Controladoria-Geral da União) possa determinar a alteração de local de trabalho do denunciante, como forma de evitar que ele sofra retaliações no local em que exerce as suas funções. A medida do chefe do Executivo lançou a base para que o sistema de proteção ao denunciante pudesse ser fundamentado no poder.

Em complemento, com o decreto publicado nesta sexta, fica estabelecida a proteção contra retaliações a denunciantes, bem como medidas de reparação e incentivo à realização de denúncias, como: reforço ao papel da ouvidoria como centralizadora do recebimento de denúncias; criação de marcos processuais claros para fins de concessão de garantias contra retaliação; criação de procedimento centralizado na CGU para recebimento e apuração de denúncias de retaliação; possibilidade de a CGU adotar medidas acautelatórias e determinar medidas protetivas para fazer cessar a retaliação ao eventual risco ao denunciante.

De acordo com o governo, o SisOuv (Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo federal) recebeu em 2021 cerca de 82 mil denúncias. Desse total, 56% são comunicações de irregularidades.

Últimas