STF

Brasília Grupo pró-Bolsonaro permanece na Esplanada na manhã desta quinta

Grupo pró-Bolsonaro permanece na Esplanada na manhã desta quinta

Manifestantes pedem impeachment e prisão dos ministros do STF; Eixo Monumental segue fechado nos dois sentidos

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Manifestantes pró-Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios

Manifestantes pró-Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios

Valdeir Costa/RecordTV

Um grupo de manifestantes pró-Bolsonaro que participou do 7 de Setembro permanece na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã desta quinta-feira (9). Eles chegaram a discutir a saída do local com a polícia, mas não cederam. O advogado Frederick Wassef participou das negociações durante a noite, mas as tratativas também foram em vão.

Os manifestantes pedem o impeachment e a prisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Nessa quarta-feira (8), eles queriam entregar uma carta com essa essas solicitações ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), mas ele estava na residência oficial da presidência da Casa, no Lago Sul. Eles também pretendiam entregar uma cópia ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). 

Grupo que apoia o presidente Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios, em Brasília

Grupo que apoia o presidente Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios, em Brasília

Valdeir Costa/RecordTV

Há dois pontos de bloqueio na via S1 do Eixo Monumental. Um deles está na altura do Ministério da Saúde e um próximo à Catedral Metropolitana de Brasília. O Eixo Monumental permanece fechado nos dois sentidos na manhã desta quinta.

Caminhões e ônibus dos manifestantes estão parados no canteiro central da Esplanada dos Ministérios. O grupo esteve presente no ato pró-Bolsonaro na última terça-feira (7). 

Discursos de apoiadores do presidente da República estavam sendo feitos em cima de dois trios elétricos e centenas de pessoas acompanham as falas, sob um calor de mais de 30°C em Brasília na tarde dessa quarta (8).

“Muita gente disse que teria briga, teria arruaça, mas fizemos uma manifestação pacífica", disse um dos participantes do ato de cima do trio elétrico. O deputado federal Paulo Trabalho (PSL-GO) também protestou contra o STF. “Se o nosso pleito não for atendido, nós vamos pedir licença à Polícia Militar e entrar lá, que é de nosso direito”, ameaçou. Os policiais usaram arames para reforçar as barreiras de contenção na Via S1, que vai no sentido Praça dos Três Poderes.

Caminhoneiros
Caminhoneiros que apoiam o presidente também fizeram manifestações em Brasília e em, ao menos, 16 estados na quarta-feira. Na capital federal, eles fecharam a BR-040 no sentido Plano Piloto, no fim da tarde e início da noite

Em um áudio gravado no final da noite, o presidente Jair Bolsonaro amenizou o discurso e fez um apelo aos caminhoneiros para que não parem o país. Após as falas do presidente do 7 de Setembro, rodovias próximas a Brasília e de outros 16 estados foram interrompidas pela categoria, o que gera risco de desabastecimento.

"Fala para os caminhoneiros aí que são nossos aliados, mas esses bloqueios atrapalham a nossa economia e isso provoca desabastecimento, inflação, prejudica todo mundo e, em especial aí, os mais pobres. Então, dá um toque aí nos caras, se for possível, e vamos liberar, tá ok? Para a gente seguir com a normalidade. Deixa com a gente em Brasília agora. Não é fácil negociar, conversar, por aqui com outras autoridades, mas a gente vai fazer a nossa parte e buscar uma solução, tá ok? E em meu nome dar um abraço a todos os caminhoneiros aí", disse Bolsonaro em áudio.

Últimas