Brasília Médico que sacou arma em pizzaria do DF deve pagar R$ 3 mil a ONG

Médico que sacou arma em pizzaria do DF deve pagar R$ 3 mil a ONG

Acordo feito com o MPDFT substitui o processo criminal. Irritado pela demora na entrega, homem ameaçou funcionários com arma

  • Brasília | Priscila Mendes, do R7, em Brasília

Médico usou uma arma para ameaçar funcionário de uma pizzaria na Asa Sul (DF)s

Médico usou uma arma para ameaçar funcionário de uma pizzaria na Asa Sul (DF)s

Reprodução/vídeo

O médico Thiago Zacariotto Lima Alves, que sacou uma arma em uma pizzaria na Asa Sul (DF) em 26 de setembro, fez um acordo com o MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) para ter como pena o pagamento de R$ 3 mil à Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do DF).

O chamado acordo de não persecução penal, firmado na última quinta-feira (11), é uma alternativa dada a autores de crimes para reparar os danos causados. De acordo com o MPDFT, enquanto o médico não fizer o pagamento à Apae, ele não poderá cometer outros crimes, caso contrário a decisão será suspensa.

No dia 26 de setembro, Thiago ficou nervoso após a demora na entrega de duas pizzas compradas por meio de aplicativo. Ele foi à pizzaria, na Asa Sul, e usou uma arma para reclamar e ameaçar funcionários.

O dono do estabelecimento identificou que o problema da demora foi causado pelo próprio médico. Thiago esqueceu de atualizar o endereço de entrega, o que fez com que o pedido não chegasse no local informado.

As investigações da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) apontaram que o médico possui registro de CAC (colecionador, atirador e caçador), mas ele só poderia transportar a arma do trajeto de sua casa até estandes de tiros.

Thiago entregou à polícia uma pistola com três carregadores e um revólver calibre 38. O médico foi autuado por porte ilegal de arma de fogo e ameaça.

Últimas