Jair Bolsonaro

Brasília Ministros do TSE avaliam hipótese de Bolsonaro ficar inelegível

Ministros do TSE avaliam hipótese de Bolsonaro ficar inelegível

Cerco está se fechando a partir do inquérito aberto após presidente acusar tribunal de fechar olhos para fraude nas urnas

  • Brasília | da Agência Estado, com R7

Atos do 7 de setembro podem fornecer ainda mais provas, segundo magistrados

Atos do 7 de setembro podem fornecer ainda mais provas, segundo magistrados

Joedson Alves/EFE - 02.09.2021

Ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) discutem uma estratégia jurídica que pode deixar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) inelegível para a eleição de 2022. O cerco judicial está se fechando a partir de um inquérito administrativo instaurado no TSE em resposta a uma transmissão ao vivo realizada pelo presidente, em julho, acusando o tribunal, sem provas, de fechar os olhos para evidências de manipulação em urnas eletrônicas.

Na visão desses magistrados, a depender do que acontecer e o tom adotado por Bolsonaro em seus discursos, os atos de 7 de Setembro poderão fornecer ainda mais provas contra o chefe do Executivo. O entendimento prévio é de que, uma vez configurado algum crime, o presidente poderá ter sua candidatura negada pela Justiça Eleitoral no ano que vem.

Bolsonaro virou alvo de outro inquérito no Supremo no dia 12 de agosto, após determinação do ministro do Alexandre de Moraes, que acolheu pedido do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O presidente da República teria divulgado informações sigilosas do inquérito que investiga o ataque hacker sofrido pela Corte em 2018 em uma live nas redes sociais, além de ter falado sobre o assunto em uma entrevista à uma rádio.

O TSE garante que o ataque ao seu sistema interno investigado pela PF não representou qualquer risco à integridade das eleições de 2018. A Justiça Eleitoral afirma ainda que, desde a ocasião, novos cuidados e camadas de proteção foram introduzidos para aumentar a segurança dos demais sistemas informatizados devido à alteração do cenário mundial de cybersegurança.

Últimas