STF

Brasília PGR defende novamente prisão domiciliar para Roberto Jefferson

PGR defende novamente prisão domiciliar para Roberto Jefferson

Ex-deputado é acusado de integrar uma "milícia com forte atuação digital" voltada para o ataque às instituições

  • Brasília | Renato Souza, do R7, em Brasília

Valter Campanato/Agência Brasil - 07.06.2017

Em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), a subprocuradora Lindôra Araújo defende que o ex-deputado Roberto Jefferson seja colocado em prisão domiciliar. O presidente nacional do PTB cumpre prisão preventiva determinada pelo ministro Alexandre de Moraes.

Jefferson é investigado no inquérito aberto para apurar a existência de uma “organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político absolutamente semelhante àqueles identificados no Inquérito 4.781, com a nítida finalidade de atentar contra a Democracia e o Estado de Direito”.  

A Polícia Federal aponta que ele realizou publicações nas redes sociais entre 18 de fevereiro e 28 de julho deste ano com características semelhantes aos demais suspeitos. A avaliação da Procuradoria-Geral da República foi solicitada por Moraes.

Agora, o magistrado deve decidir se mantém a prisão preventiva ou concede a domiciliar. A defesa alega que Roberto Jefferson sofre de graves problemas de saúde e não pode ficar preso em razão da necessidade de ter assistência médica. Em 31 de agosto, Moraes negou um pedido da defesa do ex-congressista para que ele pudesse ficar preso em casa, alegando que ele continou a cometer delitos. Na ocasião, a PGR também tinha sido favorável a mudança de regime, desde que fosse utilizada tornozeleira eletrônica.

Últimas