Invasão do Planalto, STF e Congresso em Brasília

Brasília Policial de Goiás que participou de invasão a Brasília é afastado, diz Caiado

Policial de Goiás que participou de invasão a Brasília é afastado, diz Caiado

O governador goiano se reuniu com a cúpula de segurança e disse que o objetivo é 'manter as regras democráticas'

  • Brasília | Bruna Lima, do R7, em Brasília

Governador Ronaldo Caiado, em coletiva, após reunião com cúpula da segurança

Governador Ronaldo Caiado, em coletiva, após reunião com cúpula da segurança

Wesley Costa/Secom-GO

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União), confirmou nesta segunda-feira (9) o afastamento do policial militar goiano que participou da invasão a prédios públicos em Brasília. Pelas redes sociais, Silvério Santos convocou seguidores a comparecer à capital federal enquanto subia a rampa do Congresso. 

Segundo a Polícia Militar de Goiás (PMGO), Silvério é um servidor da ativa que participou dos atos antidemocráticos durante a folga. O governador afirmou, ainda, que um processo administrativo para apurar a conduta do policial foi aberto na Corregedoria da corporação. 

Leia também: Paulo Pimenta diz que acesso de extremistas foi 'facilitado' e nove armas do GSI foram roubadas

Durante a coletiva de imprensa, Caiado reiterou que o governo vai atuar em "quaisquer distúrbios que possam acontecer". "Não podemos, de maneira alguma, admitir que resultado de eleição possa dar margem a esse tipo de atitude que vimos", completou. 

Caiado estava de licença médica, em São Paulo, mas interrompeu o afastamento para tratar do assunto pessoalmente em Goiânia. Ele se reuniu na manhã desta segunda com o secretário de Segurança Pública, Renato Brum, e com os chefes da Polícia Militar, o coronel André Henrique Avelar, e da Polícia Civil, o delegado Alexandre Lourenço.

O governo de Goiás disponibilizou as forças de segurança para atuar em Brasília. "O Batalhão de Choque da região do Entorno do Distrito Federal está de prontidão", disse Caiado. Segundo ele, o objetivo é "manter as regras democráticas".

Em Brasília, aproximadamente 1.500 pessoas foram detidas após terem participado de atos antidemocráticos praticados no último domingo (8). Os extremistas atacaram o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o prédio do Supremo Tribunal Federal (STF) e também se recusaram a deixar o acampamento em frente ao Quartel-General do Exército. 

Últimas