Jair Bolsonaro

Brasília 'Precisa se vacinar', diz Queiroga a Bolsonaro durante live

'Precisa se vacinar', diz Queiroga a Bolsonaro durante live

Em tom de brincadeira, ministro da Saúde Marcelo Queiroga afirmou: 'O senhor está bem, mas precisa se vacinar'

  • Brasília | Alan Rios, do R7, em Brasília

Bolsonaro respondeu criticando eficácia da CoronaVac

Bolsonaro respondeu criticando eficácia da CoronaVac

Reprodução

A imunização do presidente da República contra a covid-19 voltou a ser tema de debates após a ONU (Organização das Nações Unidas) indicar a necessidade de vacinação dos presentes da Assembleia Geral. Questionado se vai se vacinar, em live nesta quinta-feira (16), Jair Bolsonaro disse que decidirá o futuro "depois que todo mundo tomar" as doses do Brasil.

O presidente ainda recebeu um puxão de orelha, em tom de brincadeira, do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que também estava presente na live. "O senhor está bem, mas precisa se vacinar". Na conversa informal, o médico ainda disse que não sabe se o presidente é "invacinável".

Bolsonaro rebateu, aos risos, com críticas ao imunizante do Instituto Butantan e pontuando, novamente, que faz uso de uma medicação sem eficácia comprovada na prevenção contra o novo coronavírus. 

"A gente toma vacina para quê? Para ter anticorpos. A minha taxa de anticorpos está lá em cima. Está em 991 [iGg]. Vou tomar a CoronaVac, que não vai chegar nessa efetividade? De vez em quando, tomo Invermectina, e estou com esse iGg". 

Leis

Os dois representantes do governo Federal também criticaram as leis restritivas relacionadas à pandemia, como o uso obrigatório de máscaras e ideias de que a entrada de alunos em escolas esteja condicionada à apresentação do cartão de vacinação. 

"Na França, suspenderam salário de não vacinados. Logo a França, que tanto fala em liberdade. Agora, o cara que não toma vacina está prejudicando a si ", comparou Bolsonaro. Ainda segundo ele, durante a pandemia, o governo brasileiro não errou nas ações de contenção ao vírus.

"Não sou médico, mas não errei nenhuma. Falei com vários médicos, tudo o que eu falava tinha materialidade, mas é pancada o tempo todo. E não erramos nenhuma. Até a arritmia: eu falava que a hidroxicloroquina não causava arritmia e a Sociedade Europeia de Cardiologia disse que não causava arritmia".

Últimas