Brasília Presidente do Senado critica CPI da Petrobras, mas diz que assunto é da Câmara

Presidente do Senado critica CPI da Petrobras, mas diz que assunto é da Câmara

'Não sou favorável, acho que não tem a mínima razoabilidade', afirmou Pacheco após reunião no STF

  • Brasília | Renato Souza e Sarah Teófilo, do R7, de Brasília

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG)

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG)

Roque de Sá/Agência Senado - 4.5.2022

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse nesta terça-feira (21) não ser favorável à instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a Petrobras e o preço dos combustíveis, mas afirmou que não lhe cabe opinar sobre definições da Câmara.

O requerimento para a abertura da CPI foi protocolado por deputados do PL nesta segunda-feira (20) e conta com 65 assinaturas. O pedido precisa de 171 assinaturas para que seja remetido ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL).

"Tratando-se de um tema de iniciativa da Câmara, que não passa por revisão do Senado, nem me caberia opinar dentro de iniciativas da Câmara. Mas, particulamente, sobre o conceito de CPI para um caso desses, obviamente eu não sou favorável. Acho que não tem a mínima razoabilidade uma CPI num momento desses, por conta de um fato desses", afirmou ao ser questionado depois de uma reunião com líderes partidários do Senado e com o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux.

O presidente do Senado avalia que existe "uma série de medidas dentro do Poder Legislativo e Executivo muito mais úteis para resolver os problemas dos combustíveis do que uma CPI". Na segunda-feira (20), Pacheco se reuniu com líderes da Câmara e com o presidente Arthur Lira, na residência oficial da presidência da Câmara, a fim de discutir alternativas para reduzir o preço dos combustíveis.

Entre as questões tratadas, os parlamentares falaram sobre a CPI da Petrobras, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro. Na reunião, Pacheco propôs que a Câmara analise o projeto de lei que cria uma conta de estabilização para conter a oscilação no preço do barril de petróleo. A matéria foi aprovada em março no Senado, mas está engavetada na Câmara. Lira não concorda com a proposta.

Pedido de CPI

O pedido de instalação da CPI da Petrobras foi feito por Bolsonaro por causa dos novos reajustes dos combustíveis. Na última sexta-feira (17), o presidente criticou os lucros registrados pela empresa e defendeu a ideia de que a Câmara conduza uma investigação. "Vamos para dentro da Petrobras", afirmou.

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Arthur Lira

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Arthur Lira

Adriano Machado/Reuters - 09.08.2021

"É inadmissível, com uma crise mundial, a Petrobras se gabar dos lucros que tem. Só no primeiro trimestre, foram R$ 44 bilhões de lucro — nunca visto na história. E na Lei das Estatais está escrito que essas empresas têm que ter também um fim social. Ninguém quer interferir nos preços, mas esse spread, esse lucro abusivo — a diretoria, seus conselheiros, seu presidente poderiam resolver", opinou o presidente.

De acordo com Bolsonaro, os dirigentes da Petrobras "não pensam no Brasil". "Virou Petrobras futebol clube. Para o seu presidente, diretores, conselheiros e ditos [sócios] minoritários."

Últimas