Brasília Reunião do presidente do BC com sindicato termina sem proposta

Reunião do presidente do BC com sindicato termina sem proposta

Sindicato informou em nota que se não houver proposta ainda neste mês, discutirão greve por tempo indeterminado

  • Brasília | Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

Prédio do Banco Central, em Brasília

Prédio do Banco Central, em Brasília

25/08/2021 REUTERS/Amanda Perobelli

O presidente do Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central), Fábio Faiad, informou na tarde desta terça-feira (11) que a reunião com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, terminou sem nenhuma proposta concreta de reajuste salarial. Por isso, segue prevista a paralisação para o próximo dia 18, das 10h às 12h.

Faiad afirmou, por meio de nota, que Campos Neto sinalizou intenção de buscar o reajuste solicitado pela categoria, durante reunião. "Esperamos que, ainda em janeiro, haja nova reunião com o presidente do Banco Central e que nela haja uma proposta concreta. Caso contrário, passaremos a debater a proposta de greve por tempo indeterminado em fevereiro de 2022", informou.

O presidente do sindicato ressaltou que quase 2 mil servidores já entregaram cargos de comissões gerenciais ou que aderiram à lista para abdicar de algum cargo indicado. O objetivo da mobilizaçõ, segundo ele, é para reajustar o salário não só para os policiais federais, mas também para o Banco Central, "bem como a reestruturação de carreira de analistas e técnicos do BC (demandas sem impacto financeiro)". Procurado, o BC informou que não irá comentar.

A mobilização dos servidores do banco teve início após movimentação de servidores da Receita Federal, com auditores fiscais entregando cargos de chefia.

Últimas