Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Ronaldinho abriu mão de 6 voos para estar na CPI das Pirâmides; aeroporto nega cancelamentos

Como consequência da segunda falta seguida dele, o presidente da comissão pediu a condução coercitiva do jogador 

Brasília|Do R7


Concessionária nega qualquer
cancelamento
Concessionária nega qualquer cancelamento

O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho, que alegou problemas no voo de Porto Alegre a Brasília para não comparecer à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Pirâmides Financeiras, poderia ter embarcado em seis aviões que partiram de Porto Alegre para a capital federal entre quarta-feira (23) e o começo da quinta-feira, 24.

Mesmo com a instabilidade climática que fechou o aeroporto porto-alegrense na quarta-feira, a concessionária informou que não houve nenhum cancelamento de algum embarque que pudesse impedir a ida do ex-atleta para o Congresso Nacional.]

Naquele mesmo dia houve passagens para Brasília às 5h10, 5h35, 17h54 e 18h45. Na quinta-feira, Ronaldinho ainda poderia partir de lá às 5h21 ou às 5h28 - mas não fez isso.

Como consequência da segunda falta seguida dele, o presidente da CPI das Pirâmides Financeiras, Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), pediu a condução coercitiva de Ronaldinho na sessão da quinta-feira. "Tivemos voos que pousaram em Brasília ontem à noite e na manhã desta quarta-feira. Ainda que não tivesse o voo por que não se antecipou?", disse o relator da CPI, deputado Ricardo Silva (PSD-SP).

Publicidade

" gallery_id="641b4e991df97b2a95000dc4" url_iframe_gallery="noticias.r7.com/brasilia/ronaldinho-abriu-mao-de-6-voos-para-estar-na-cpi-das-piramides-aeroporto-nega-cancelamentos-25082023"]

A condução é medida prevista na legislação penal e permite que autoridades conduzam a pessoa, sob escolta policial, para obrigar seu comparecimento na audiência marcada.

Publicidade

O ex-atleta recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo para não participar de depoimento. O ministro Edson Fachin negou mas garantiu que ele pudesse ficar em silêncio. Ronaldinho alega que foi vítima porque sua imagem foi usada sem sua autorização.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

O empresário Marcelo Lara, ao lado de Ronaldinho, teria criado o site "18k Ronaldinho", que, segundo o requerimento do relator é "alvo de investigações por suspeita de fraudes e pirâmide financeira com investimentos em criptomoedas". Lara sequer foi localizado para ser notificado pelo colegiado e, segundo Aureo Ribeiro, pode estar fora do País.

Na sessão da quinta-feira, apenas o irmão e empresário de Ronaldinho, Roberto de Assis Moreira, deu depoimento e negou ter qualquer envolvimento com a 18k Ronaldinho.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.