STF

Brasília 'Se aparecer índio deitado, vai ser terra indígena', diz Bolsonaro 

'Se aparecer índio deitado, vai ser terra indígena', diz Bolsonaro 

Presidente criticou pauta indígena que requisita terras ocupadas após a promulgação da Constituição Federal

  • Brasília | Alan Rios, do R7, em Brasília

Presidente disse que entendimento do STF pode acabar com o Brasil caso favoreça pauta indígena

Presidente disse que entendimento do STF pode acabar com o Brasil caso favoreça pauta indígena

Joédson Alves/EFE

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se manifestou, em live da noite desta quinta-feira (2), contra a pauta indígena que requisita terras ocupadas após a promulgação da Constituição Federal, em 1988. Segundo ele, o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), caso seja favorável aos povos tradicionais, pode "acabar com o agronegócio". O tema está em discussão na Corte e volta a ser avaliado na próxima quinta-feira. 

"O próprio STF já decidiu que a área ocupada até a data da promulgação era dos indígenas. Depois [da promulgação], não. Com a nova tese, o marco temporal não tem tempo, não é fixo. No campo de futebol da sua cidade, se aparecer um índio deitado, vai ter que ser terra indígena", afirmou.

Bolsonaro ainda opinou que, se o marco temporal não for considerado válido, o tamanho de hectares das terras indígenas no Brasil será maior do que a totalidade das regiões Sul e Sudeste, somadas. "As áreas estão concentradas no Centro-Oeste e região Norte. E têm áreas indígenas previstas para serem demarcadas que, pela localização geográfica, anulam outras áreas. Acaba o Brasil".

O presidente disse esperar "bom senso do STF", ou "vamos entregar o Brasil para o índio". "Espero que aceitem ou peçam vista, o que costuma acontecer e sentam em cima do processo". Mais cedo, o procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu que o marco temporal das terras indígenas deve ser aplicado de acordo com cada caso.

Durante fala no julgamento sobre o tema realizado pelo Supremo, o chefe do Ministério Público defendeu que as terras são originárias dos povos tradicionais e que a propriedade é garantida pela Constituição. Após a manifestação de Aras, a análise do caso foi adiada para o próximo dia 8.

Últimas