Brasília Três pessoas são presas após se passarem por policiais federais

Três pessoas são presas após se passarem por policiais federais

Dois homens e uma mulher foram detidos pela Polícia Militar do DF vestidos como agentes da PF e portando documentos falsos

  • Brasília | Augusto Fernandes, do R7, em Brasília

Trio foi preso usando uniformes e documentos falsos da Polícia Federal

Trio foi preso usando uniformes e documentos falsos da Polícia Federal

Divulgação/PMDF

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) prendeu dois homens e uma mulher, em Ceilândia, que se passavam por integrantes da Polícia Federal para tentar assaltar lojas e extorquir vítimas. Segundo a corporação, os três usavam roupas características de agentes e portavam documentos falsos.

A ocorrência foi registrada na noite de sábado (9). A equipe da PMDF suspeitou da situação ao ver o trio tentando entrar em um estabelecimento comercial de Ceilândia. Eles apresentaram identidades funcionais falsas para convencer os lojistas e estavam armados.

Assim que dois dos criminosos ingressaram na loja, os policiais militares foram ao local e abordaram o casal. A mulher tentou se esconder e até tirou a roupa com identificação da Polícia Federal, mas foi detida pelos militares. 

Com eles, os policiais encontraram uma pistola 9mm, um simulacro de arma, oito celulares e uma camisa da Polícia Federal enrolada. O outro homem envolvido na ação aguardava a dupla em um carro. Ele também estava uniformizado com uniforme falso da PF. 

Material apreendido pela Polícia Militar com os suspeitos

Material apreendido pela Polícia Militar com os suspeitos

PMDF/Divulgação

Após a abordagem, segundo a PMDF, os três confessaram que extorquiam comerciantes e exigiam vantagens para que as vítimas pudessem trabalhar. O trio também informou que, recentemente, cometeu crimes em Ceilândia e Valparaíso de Goiás (GO).

Na casa de um dos suspeitos, os policiais militares encontraram carregadores da pistola, munições e dinheiro. O trio e duas testemunhas foram encaminhados para Superintendência da Polícia Federal, que registrou ocorrência sobre o caso.

Últimas